6 de abril de 2015

Filme Mônica e o Desejo, de Bergman, é atração do Imagens em Pauta

Assessoria UFMT - Jovem casal se apaixona e decide fugir da cidade para passar o verão na praia em “Mônica e o desejo” (Sommaren med Monika, 1953, 96 minutos), de Ingmar Bergman, atração dessa terça-feira (7), às 19 horas, no Sesc Arsenal. Classificação indicativa: 18 anos. A entrada é gratuita.

O filme dá continuidade ao nono ano de exibições do “Imagens em Pauta”, projeto realizado pelo Sesc Mato Grosso em parceria com a Pró-reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev), Cineclube Coxiponés e Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Cada sessão é iniciada com a apresentação do filme programado. Após exibição, os participantes conversam sobre o filme e são convidados a tomar um gostoso cappuccino oferecido pelo Sesc Mato Grosso.

Em 2015, a programação do Imagens em Pauta se concentra na filmografia do sueco Ingmar Bergman (1918-2007), realizador obstinado que, além do cinema, dedicou-se intensamente às formas teatrais. Centrada em questões existenciais e na dificuldade encontrada pelas pessoas em se comunicar, a obra de Bergman inspirou e continua a inspirar cineastas, críticos e espectadores ao redor do mundo.

Sobre o filme
Em “Mônica e o desejo”, o jovem Harry (Lars Ekborg) se apaixona perdidamente por Mônica (Harriet Andersson), a moça da quitanda. Após Harry ser despedido do emprego, o casal decide se isolar de todos, fazendo uma idílica viagem de barco pelas ilhas de Estocolmo durante as férias de verão.

“Tudo é inédito, nada parece impossível, tudo está ao alcance de seu desejo. Existe uma onipotência da juventude que Bergman captou talvez melhor do que ninguém. E, em "Monika e o Desejo", talvez melhor do que nunca. Mas o diretor sueco é um pessimista, e o preço a ser pago pela vida não é pequeno. É disso que tratará, em suma, este filme. Para tanto, criará na pessoa de Monika uma personagem inesquecível. Ela é viva, inquieta, contraditória, animal, carnal. Ela é plena, e dessa plenitude Harriet Andersson dá conta com tanta desenvoltura que não é de estranhar que Ingmar Bergman tenha feito dela sua musa quase ao primeiro olhar” (Inácio Araújo. Folha de São Paulo. 02 de março de 2008).

Considerado um dos mais importantes diretores do século XX, Ingmar Bergman é autor de clássicos como “O sétimo selo”, "Morangos silvestres" “Gritos e sussurros” e “Cenas de um casamento”. Bergman foi um dos fundadores da Academia Europeia de Cinema, em 1988. Premiado várias vezes nos Festivais de Berlim e Cannes, Bergman recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro três vezes (por “A fonte da donzela”, “Através de um espelho” e “Fanny & Alexander”).

Bergman iniciou sua carreira artística no teatro, no início da década de 1940. O realizador se distinguiu em várias ocasiões como diretor de peças teatrais de importantes autores, como Shakespeare e Strindberg. Na década de 1960, Bergman foi contratado como diretor do famoso Teatro Real de Artes Dramáticas da Suécia, o Dramaten.

Próximo filme
Na próxima terça-feira, 14 de abril, o Imagens em Pauta continua o Ciclo Bergman com a exibição de “Noites de circo” (Gycklarnas afton, Ingmar Bergman, 1953, 92 min).

Nenhum comentário:

Postar um comentário