19 de setembro de 2014

MUSICAL CENA URBANA É ATRAÇÃO DO OVERDOSE NO SESC ARSENAL

B-boys, B-girls, DJ, grafiteiros e atores ocupam o Jardim do Sesc durante 30 frenéticos minutos para levar a favela a um dos principais espaços culturais da cidade. A apresentação será às 22 horas e a entrada é gratuita

Assessoria - Nos últimos meses, Luciene Carvalho tem descoberto que sua poesia transpõe o tom e o protocolo da declamação. Os versos que testemunham a cidade, interligam cenários cuiabanos e dão vida a personagens que habitam seu imaginário possuem uma métrica similar ao de um rap. A descoberta se deu há poucos meses, quando se lançou em uma incursão pelo movimento hip hop. O resultado é o musical “Cena Urbana” que integra a programação do Overdoze do Arsenal. B-boys, B-girls, DJ, grafiteiros e atores ocupam o Jardim do Sesc durante 30 frenéticos minutos para levar a favela a um dos principais espaços culturais da cidade. A apresentação será às 22 horas, neste sábado (20) e a entrada é gratuita.

  “Foi em uma incursão pelo mundo invisível, o da periferia, que pude entender que a minha identidade artística sempre esteve em consonância com este meio. No rap, minha arte é o P, de poetry [do inglês, rhythm and poetry]. Tinha a poesia, agora tem a rima”.

De acordo com a poetisa, tal qual o grafite, que transpõe todo o conceito de arte visual e ganha notabilidade nas ruas e o MC que não fez canto coral e o DJ que não teve aulas de música, da mesma forma, o dom de poeta e escritora não foi moldado na escola. “A minha espontaneidade e meu autodidatismo não vieram com o diploma, minha identidade artística é de favela, moldada na urbanidade. É como um processo de quilombolização do negro que se liberta, mas que chega a outras raças, não é só do negro. Foi assim que me peguei investigando o que era ser cuiabano na contemporaneidade”.

Foi então que repassou seus poemas e a partir de um em particular, delineou o espetáculo que estréia nesta sexta-feira. “Relembrei de Cuiabaninha, do livro Teia, e constatei que estive o tempo todo fazendo rap. E agora, para completar, encontrei meus pares”, se emociona.

 Luciene explica que o espetáculo narra o cotidiano de uma comunidade da periferia que conta com um canal de comunicação, um programa de rádio que dialoga todo o tempo com a comunidade. E durante o programa, por vezes é anunciado que todos estão à espera da poetisa Luciene Carvalho no local. Durante 30 minutos, uma verdadeira festa com dança, grafite e música anuncia sua chegada.

 “A atriz Eloah Pimenta testemunha seu conhecimento deste universo urbano, e aí, começa a agitação do crew de nove bailarinos, com meninos e meninas que têm um domínio corporal incrível. O DJ Fábio Draw é o responsável pela trilha sonora, enquanto Mano Raul é o locutor do programa inspirado no Fábrica do Rap, da Rádio CPA e o dançarino Peixinho de VG ajudaram na construção do musical. Tem ainda o grafiteiro Snarf e a nossa produtora, Viviane Lemes. Todos ligados pela poetisa, pela poesia, pela música”.

 O Cena Urbana é uma das atrações da programação ininterrupta do Overdoze, projeto do Sesc Arsenal que faz parte do Guaná. Espetáculos de dança, teatro e música, além de oficinas, cursos, contação de histórias e exibição de filmes compõem a grade. Todas as atividades são gratuitas e começam neste sábado (20), às 14 horas, no Sesc Arsenal.


Serviço:
Cena Urbana, na programação do Overdoze
Dia 20, às 22 horas, no Jardim do Sesc Arsenal
Entrada gratuita


Nenhum comentário:

Postar um comentário