19 de novembro de 2013

EXPOSIÇÃO NO SESC ARSENAL APRESENTA OBRAS DE CARLOS VERGARA

Até o dia 21 de dezembro é possível conferir no Sesc Arsenal a exposição “Viajante – Experiências de São Miguel das Missões”, em que Carlos Vergara exibe o resultado de suas viagens às missões jesuítas do município gaúcho. O artista coletou impressões, monotipias (técnica de impressão que resulta numa única prova) e fotografias das construções colaborativas de jesuítas e índios guaranis, apresentando obras de valor religioso, ao mesmo tempo em que etnográfico, histórico e arquitetônico.

A experiência em São Miguel das Missões exemplifica um momento decisivo na poética de Vergara. Vários tempos e espaços se encontram e se multiplicam. Da história pessoal à cultural, o artista revisita modos de vida já esquecidos e chega à própria potência da arte ao abrir perspectivas de compreensão que não se encaixam no saber científico nem objetivo. No extremo sul da América criou uma possibilidade singular de vida em comum, nas quais as diferenças eram assumidas, cultivadas e reinventadas.

Em entrevista ao crítico de arte Luiz Camillo Osório, Vergara afirmou que uma pergunta que lhe recorrente é “como viver junto?” E essa tentativa em respondê-la o levou às missões jesuíticas do sul do país, sobretudo a cidade de São Miguel das Missões, onde estão as ruínas jesuítas da antiga redução de São Miguel Arcanjo, declaradas como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1983.

A exposição faz parte do projeto ArteSesc, presente em mais de 80 municípios brasileiros e que já realizou mais de 30 mostras de artes visuais em quase todos os estados. Desde o ano passado, a exposição “Viajante...” já passou por estados como Mato Grosso do Sul, Sergipe, Paraíba e Alagoas. Em Mato Grosso, antes de chegar a Cuiabá, a exposição passou pelo Sesc Rondonópolis, em outubro.

Sobre o artista
Carlos Augusto Caminha Vergara dos Santos nasceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, em 1941. Na década de 1950, chegou ao Rio de Janeiro e trabalhou como analista de laboratório; em paralelo, dedicava-se ao artesanato de joias, as quais foram expostas na 7a Bienal Internacional de São Paulo em 1963, ano em que descobriu o desenho e a pintura. Participou, então, das emblemáticas mostras Opinião 65 e 66, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e foi um dos organizadores da mostra Nova Objetividade Brasileira.

Vergara também foi cenógrafo e figurinista de peças teatrais; suas obras dialogavam com o expressionismo e a arte pop. Inseriu a fotografia e os filmes super-8 em sua prática e desenvolveu uma série de trabalhos sobre o carnaval carioca. No âmbito da arquitetura, criou painéis para edifícios com materiais e técnicas do artesanato popular. Na pintura, produziu quadros abstratos geométricos, explorando tramas de losangos em campos cromáticos. A partir de suas diversas viagens pelo Brasil, Vergara ampliou sua técnica por meio do uso de elementos naturais locais, figurando com uma exímia contribuição para a inserção do rico cenário brasileiro no universo das artes plásticas.

 Serviço:
Exposição: de 20/11 a 21/12 -  3ª a 6ª das 14h às 21h / Sáb. Dom. e Feriados das 16h às 20h
Galeria de Artes - Gratuito - Sesc Arsenal
Agendamento de grupos: sescarsenal.agendar@sescmatogrosso.com.br ou 3616-6903

Nenhum comentário:

Postar um comentário