30 de agosto de 2013

OBSERVATÓRIO DE MÚSICA DO MATO / CURSOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL E PROGRAMAS EDUCATIVOS

A proposta do observatório consiste na realização de cursos de educação musical e os programas educativos, e a gestão artística (Produção executiva de  shows/captação de recursos, iluminação).   Público alvo: Alunos e professores da área de música, teatro, dança, professores da rede pública. Profissionais da área de iluminação e interessados no assunto.

JOGOS MUSICAIS, COM KATY RIBEIRO (MT)
O curso Jogos musicais visa a capacitação de professores da área de música e professores da rede pública de ensino, apresentando sugestões de jogos de escuta, de concentração, de aproximação, comunicação, confiança, expressão e improvisação; promover a elaboração e a prática de alguns jogos musicais. Público alvo: alunos e professores da área de música e professores rede pública.
De 03 a 05/09 -13h às 18h e 18h às 22h - Salão Social - Gratuito


ILUMINAÇÃO DE ESPETÁCULOS, COM FLÁVIO ANDRADE (SC)
O curso busca promover a capacitação inicial de mão de obra para atendimento de diversificadas áreas artísticas (teatro, dança, circo, música, cinema e artes visuais). O ministrante do curso será Flávio Andrade, light designer, trabalhou como iluminador em diversos espetáculos e musicais em São Paulo. Em 2012 realizou também trabalho para o cinema como “Uma escada para João” com direção de Robson benta. Público alvo: profissionais das áreas de música, teatro, dança, cinema e interessados no assunto.
De 03 a 06/09 das 15h às18h e 19h às 22h - Gratuito

GUANÁ – ALDEIA SESC DE ARTE E CULTURA É O DESTAQUE NO ARSENAL EM SETEMBRO

A programação, totalmente gratuita, conta com espetáculos, oficinas, cursos, exibição de filmes e exposições, destinadas a todos os públicos.

Entre os dias 10 e 22 de setembro o Sesc Arsenal abre suas portas para o Guaná – Aldeia Sesc de Arte e Cultura. Artistas locais e de outros estados se apresentarão num grande fervilhar de produções e linguagens: teatro, dança, literatura, cinema, artes visuais e música. Além disso, também haverá espaços e ações destinados a recreação. A programação, totalmente gratuita, conta ainda com espetáculos, oficinas, cursos, exibição de filmes e exposições, destinadas a todos os públicos.

Entre os cursos oferecidos no Guaná estão o de direção cinematográfica e o sobre os segredos da narração. Espetáculos de dança como o “Tenho Flores nos Pés”, do grupo mato-grosssense Comadança e de música, com a Big Band Ciranda, também estarão presentes. Outro destaque do Guaná é a reapresentação de atrações de outros estados que passaram por Cuiabá durante o Palco Giratório, em maio, como a peça “A Pereira da tia Miséria”, do Núcleo Ás de Paus, do Paraná. E no dia 14/09 acontece o OverDoze, uma maratona de arte e cultura com doze horas de programação ininterrupta a partir das 14 horas.

O Guaná faz parte da maior rede de mostras culturais do Brasil. Denominadas, propositalmente de ALDEIAS, são um espaço aberto para a reflexão e fomento da criação e da produção artística local e de outros estados. Configuram-se como um grande terreiro de trocas, onde público e artista se misturam, formando uma grande rede tecida por linhas de interlocução e mediação com a cidade, com as comunidades e com os diferentes segmentos da sociedade. Essas linhas são representadas pelas ações desenvolvidas pelo Sesc em mais de 41 aldeias espalhadas por todo País, transformando cada aldeia local em uma feira simbólica, que envolve e tenta abraçar os membros de sua comunidade. 

A que acontece em Cuiabá, na unidade Sesc Arsenal tem o nome de Guaná para reverenciar o povo indígena de mesmo nome que residiu à margem direita do rio Cuiabá, na metade do século XIX. Atualmente no local é situado o bairro Porto da capital, onde estão o Arsenal, a Casa do Artesão, o Mangaba Restaurante e o Sesc Porto. Os Guaná também tinham uma característica peculiar, que também determinou a escolha do nome. Segundo a historiadora Verone Cristina da Silva, eles eram conhecidos por estabelecerem “relações com diferentes grupos étnicos, em posições sociais distintas”, levando-os a práticas culturais que foram construídas historicamente num campo de experiências múltiplas e singulares.

O Sesc Mato Grosso busca com essa e outras ações praticar uma política cultural de caráter transformador, na qual a cultura não é vista como um produto final a ser consumido, mas como um bem mutável e flexível resultante de um processo de interatividade que leva à construção de valores e significados que compõem a sua pluralidade.