6 de novembro de 2012

SESC apresenta MOSTRA TATI POR INTEIRO




O Sesc reuniu as obras do cineasta francês Jacques Tati e, em parceria com a Embaixada da França e Institut Français, lança a Mostra Tati por Inteiro, que circulará pelo país a partir de novembro. O lançamento foi no Sesc Arsenal  com a exibição do filme Meu Tio. O evento contou com a presença do crítico de cinema e acadêmico Stéphane Goudet, que após a exibição conversou com o público sobre a obra de Tati.  A mostra ficará em cartaz na unidade até o dia 11 de novembro.

A retrospectiva da obra do cineasta francês poderá ser vista em diversas unidades do Sesc pelo Brasil, com uma programação de 11 obras audiovisuais e um documentário sobre o artista dirigido por sua filha, Sophie Tatischeff, apresentando Tati por trás das câmaras. Em algumas unidades, serão realizados cursos, oficinas e palestras. 

De Cuiabá, a mostra segue para Santa Catarina, com apresentações a partir de 5 de novembro, Minas Gerais, com lançamento dia 6 de novembro, no Sesc Palladium, e Alagoas, com abertura no dia 7. A programação completa está disponível no site  www.sesc.com.br/tatiporinteiro. 


O Cineasta
Jacques Tati nasceu em 9 de outubro de 1907 em Pecq, cidade semirrural da França. Sua carreira, como ator e roteirista começou, em 1932, com a realização de uma série de curtas-metragens. Estreou como cineasta em 1947, com "Jour de Fête" que lhe rendeu o prêmio de melhor roteiro no Festival de Veneza, na Itália e o Grande Prêmio do Cinema Francês em 1950. 

Fez ao todo seis longas e três curtas-metragens em mais de quarenta anos. O filme que abre a Mostra Tati por inteiro – Meu Tio (Mon oncle) - é uma sátira à mecanização e à modernidade tecnológica. Com ele, Tati recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro, em 1959.

Tati é considerado pela crítica especializada o mais original comediante do cinema, depois de Charles Chaplin. O cineasta se distanciou do burlesco primitivo e buscou, na observação do cotidiano, as expressões, os hábitos, manias e manifestações, que denunciavam as personalidades. Além disso, seus filmes contribuíram para a construção da crítica de costumes que, em sua obra, não deve ser lida a partir de uma relação direta com a realidade imediata, mas sim, a partir de suas escolhas, seleções e criações.

PROGRAMAÇÃO




03/11 - Sábado 

19h- Lançamento da “Mostra Tati por Inteiro” 

        Meu tio (Mon oncle. 1956. 116 min. P/BP). 


O sr. e a sra. Arpel têm uma casa incrivelmente funcional em um bairro muito bem localizado. Infelizmente, a sra. Arpel também tem um irmão, o sr. Hulot, que a impede não menos incrivelmente de progredir. Hulot, por outro lado, tem um excessivo amor pelos cães, de preferência de rua. Isso não seria muito grave se o filho dos Arpel, Gerard, não tivesse uma tendência a imitar o tio, demonstrando, como ele, uma clara aversão às belezas industriais. Por fim, o sr. Arpel, com ciúmes, consegue afastar Hulot, após tentativas frustradas de fazê-lo ser contratado em sua fábrica ou se casar com sua vizinha esnobe.




04/11 - Domingo
18h30 - As férias do sr. Hulot (Les Vacances de Monsier Hulot. 1953. 104 min., P/B) 

Quando o carteiro François assiste à projeção de um documentário sobre o correio na América durante uma sessão de cinema ambulante na praça da vila, ele compreende imediatamente que se a correspondência não está chegando rapidamente a Sainte-Sévère (ou melhor, Follainville), é porque foram negligenciados os “métodos americanos”! Mas François vai cuidar disso. Montado em sua bicicleta velha, ele dispara para o campo, ultrapassa as carroças de feno, desvia de uma vaca na esquina, mas encontra um poste resistente, um bode ignorante, uma abelha irritante e um terrível número de copos de vinho branco que atrapalham sua demonstração. Pior para os moradores, que receberão sua correspondência como sempre: atrasada.






06/11 – Terça-feira
19h - Tempo de Diversão (Playtime. 1967. 114 min., P/B) 

“Na era da Economic Airlines um grupo de mulheres norte-americanas organiza uma viagem turística. O programa inclui uma capital por dia. Chegando a Paris, elas notam que o aeroporto é exatamente o mesmo que tinham acabado de deixar em Roma, as estradas são as mesmas de Hamburgo e a iluminação pública é estranhamente semelhante à de Nova York. O cenário não mudou de uma cidade para outra. Elas se movem nesse cenário internacional que é real, eu não o inventei. Aos poucos, encontram franceses. Um pouco de calor humano é criado, o que lhes permite, na falta de estar em um ambiente ‘parisiense’, passar 24 horas com nativos, entre eles, o sr. Hulot” (Jacques Tati).




07/11 - Quarta-feira
19h - As Aventuras do sr. Hulot no trânsito louco (Trafic. 1971, 93 min. P/B) 

Projetista da pequena empresa fabricante de automóveis Altra, sr. Hulot projeta um caminhão engenhosamente dotado de várias modernidades para ser exibido no Salão Internacional do Automóvel de Amsterdã. Ele acompanha o protótipo desde Paris a bordo do caminhão da Altra, escoltado pelo pequeno carro esportivo amarelo de Maria, a jovem norte-americana relações-públicas da empresa. Um pneu furado, a falta de combustível, colisões e problemas com funcionários da alfândega irão retardar a chegada do grupo. Eles viajam pelas estradas rurais flamengas e holandesas em busca de um mecânico. O carro chegará tarde demais para a exposição. As aventuras do sr. Hulot no trânsito louco foi filmado na Holanda.


08/11 - Quinta-feira
19h -  Parada (Parade. 1974, 85 min., P/B) 

Apesar de ter sido filmado em sua maior parte em vídeo (Tati pressentiu a transição gradual para o digital), financiado pela televisão sueca, Parada foi realizado com o objetivo de ser lançado nos cinemas, mesmo que um espetáculo circense tenha sido privilegiado neste que seria seu último filme. Interpretando o sr. Loyal, Tati garantiu a sequência dos números de sua apresentação de circo, dando vida nova às mímicas de Impressions Sportives, que ele realizava no music hall.



Dia 09/11 – Sexta-feira
19h - Carrossel da Esperança (Jour de fête. 1949. 77min. P/B) 

Todo mundo sabe que as férias não são feitas para se divertir. Todo mundo sabe, exceto o sr. Hulot, que, cachimbo para o alto e rosto ao vento, leva a vida como ela vem, dirigindo seu velho e barulhento Salmson e perturbando escandalosamente a tranquilidade dos veranistas que se instalam com seus hábitos urbanos em uma pequena estação balneária na costa do Atlântico. Sr. Hulot caminha languidamente pelo balneário, maravilhado com os castelos de areia. De súbito, toda essa languidez explode em risos.




10/11 - Sábado

19h - Cuida da sua esquerda (Soigne ton gauche.  1936. 12min. P/B) 
O agricultor Roger sonha ser boxeador. Agora, o curral de sua fazenda é o local de treinamento dos lutadores. Mas a luta deve parar em breve por falta de combatentes. Pego narrando uma vitória, ele é descoberto e levado ao ringue. Mas há um problema: ele nunca lutou boxe em sua vida e não sabe nada sobre a nobre arte. Será que o livro que um carteiro coloca em sua cadeira irá ajudá-lo a desenvolver rapidamente a técnica necessária para a vitória?

19h15 -  A escola dos carteiros (L'Ecole des facteurs. 1947.15min P/B) 
Velocidade e eficiência, assim é a formação adequada para qualquer carteiro! A missão é simples: reduzir a ronda para chegar a tempo ao avião do correio aéreo. Em um pequeno escritório dos correios da região, três carteiros, entre eles François, pressionados pelas ordens estridentes de seu superior, param e depois retomam, junto a suas bicicletas, cada gesto do ritual de entrega dos correios.
Deu origem ao longa-metragem Carrossel da esperança, filmado dois anos depois.

19h35 - Curso noturno (Cours du soir. 1947. 15min. P/B) 
Em meio aos cenários de Tempo de diversão, Jacques Tati tenta ensinar algo de sua arte a alunos desajeitados e aplicados. “Os homens de negócios se transformam em estudantes esclarecidos e descobrem as diferentes maneiras de fumar um cigarro, andar a cavalo, ou cair de uma escada. [...] Curso noturno apresenta, pela primeira vez, vários números clássicos de Tati e constitui, justamente por sua simplicidade, um comentário pertinente sobre a aventura épica de Tempo de diversão. É a imagem invertida, revelando o avesso de seu cenário e de seu personagem, Tati mostra que o seu senso de observação também se aplica a si mesmo” (Marc Dondey). Deu origem ao longa-metragem Carrossel da esperança, filmado dois anos depois.

O filme apresenta vários números clássicos de Jacques Tati. Nele, o diretor ministra um curso para executivos de uma grande empresa aplicando seu arguto senso de observação também com relação a si mesmo.





11/11 - Domingo

18h30 - Tati: Seguindo os passos do sr. Hulot (Tati sur les pas de Monsieur Hulot. Sophie Tatischeff. 1986. 52 min., Documentário em cores) 

Dirigido por Sophie Tatischeff, filha de Tati, o documentário apresenta um Tati por trás das câmeras, como autor, produtor e diretor. Vários registros de seu trabalho foram feitos ao longo de suas viagens pelo mundo. Com base nesses registros, Sophie deu vida a este material, um retrato da personalidade exigente, determinada e à frente de seu tempo, características tão marcantes em Tati, que exercia sua profissão sem se deixar influenciar pelas convenções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário