13 de setembro de 2011

GUANÁ oferece diversos CURSOS GRATUITOS e SEMINÁRIO SOBRE ENSINO DA ARTE





O SESC realiza a maior rede de mostras culturais do Brasil. Denominadas ALDEIAS, as mostras são um espaço para reflexão e fomento da criação e da produção local e de outros estados.  Rede tecida por linhas de interlocução e mediação com a cidade, com as comunidades e com os diferentes segmentos da sociedade. Essas linhas são representadas pelas ações desenvolvidas pelo SESC em 41 ALDEIAS espalhadas por todo País, transformando cada aldeia local em uma feira simbólica, que envolve os membros de sua comunidade em rituais de consumo da arte.

A Guaná - Aldeia SESC de Arte e Cultura proporciona, de 08 a 25 de setembro de 2011, uma programação diversificada nos espaços cênicos convencionais e não convencionais a circulação de Espetáculos, Oficinas, Cursos, Seminários, Exibição de Filme e Exposições.


As inscrições pode ser feitas pelo telefone (65) 3616-6901

VEJA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA NO LINK ABAIXO:
http://sesc-mt.blogspot.com/p/aldeia-guana.html





Yuri Kopcak é formado em Radialismo pela UFMT- 2000 e é especialista em Cinema pela Unic/Misc - 2008. Atua desde 1993 nas áreas de produção de rádio, musical e há seis anos dedica-se à captação de som para cinema e designer sonoro. Seu portifólio profissional conta com trabalhos como os curtas - "Horizontem - O futuro manda lembranças" - Amauri Tangará; "Vestígios do Tempo" - Ronaldo Adriano; "Mopo'i - o menino manoki" - Sérgio Lobato; "A Morte do Toureador" - João Antônio Lucídio; "Bolhas de Sabão Desmancham no Ar" - Maria Thereza Azevedo; e documentários como - "Vila Bela - Terra de Colores - Bárbara Fontes - DocTV II 2005; "Seu Antonio Mulato" - Quilombo do Mata Cavalo; "Viola de Cocho" - Leonardo Sant'Ana; "Rusga - do palco à tela" - Karina Figueredo, dentre outros.
Ministrou várias oficinas na área de áudio, sendo a mais recente, a oficina de som direto para tv e cinema no V Festival Tudo Sobre Mulheres em Chapada dos Guimarães.



Muitas são as formas de composição cênica na contemporaneidade, e embora a improvisação seja uma das formas mais legitimadas e democratizadas no campo das Artes Cênicas, muitas vezes os artistas da cena encontram poucos caminhos sistematizados para utilizar a improvisação em seus processos pessoais (seja atuando ou dirigindo), como um procedimento potente e objetivo de composição e criação cênica. O curso pretende oferecer procedimentos improvisacionais de composição através de dois sistemas: os viewpoints de Anne Bogard e Tina Landau e a zona do improviso, de Marina Elias. Os participantes também irão experimentar processos improvisacionais como linguagem cênica, ou seja, além de experimentar a improvisação como procedimento para a criação, poderão experimentá-la também como criação e obra em si: linguagem espetacular. Os participantes serão conduzidos a criar cenas durante o curso, abrindo a possibilidade de uma apresentação pública ao final.




Formado em educação física. Em 1999 começou a ministrar workshop em todo pais, levando a dança locking , popping e breaking de forma lúdica e para que os adeptos conhecessem os estilos clássicos , na época não existente em convenções e festivais. Estreou recentemente no longa metragem . V.I.PS , o filme de Wagner Moura contracenando com o mesmo. Hoje continua no Brasil e fora ministrando e julgando campeonatos , batalhas e festivais e convenções. Também como orientador das novas gerações de dançarinos e dos novos promotores de evento no pais. Neste Curso, André Eugênio trabalhará as modalidades  House Dance, Waackin Style, Top Rocking, Locking, Popping e Breaking.




Quer se apaixonar pela literatura? Quer entender como pode ser muito mais simples do que se pensa formar um leitor de livros literários? Que entender que literatura é arte e que na escola existem futuros artistas? Quer mergulhar no encantamento dos livros e sair criando histórias, projetos, desenhos? Então, venha para este curso. Você vai mergulhar nos textos literários de uma maneira muito gostosa e divertida. E certamente vai voltar para a sala de aula, ou para a biblioteca da escola, cheio de novas ideias!



Troca de experiências e intercâmbio de idéias com os músicos, produtores e demais interessados na cidade acerca de criação, produção, distribuição, veiculação e consumo de música fora dos padrões estabelecidos pela Indústria Cultural.





Rildo Cossôn (DF) - O PROFESSOR, A LITERATURA E OS MEIOS: PARA LER NA ESCOLA COMO NA VIDA.
Rosemar Coenga (MT)  - LITERATURA, ESCOLA E LEITURA - UM CONVITE À REFLEXÃO
Anna Cláudia Ramos (RJ) - AMPLIAÇÃO DO REPERTÓRIO CULTURAL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES PLENOS.


A relação com o livro tem um caráter cultural. A ação cultural é um processo que oferece condições para que as pessoas descubram sua capacidade de criar, inventar e reinventar seus objetivos. É um processo que contribui para o desenvolvimento geral e educacional, facilitador do processo de alfabetização, da construção de vínculos, da ampliação do repertório cultural e para a formação de leitores plenos. Como essas premissas são levadas em consideração no processo de formação de um público leitor.






Problematizar e aprofundar as relações de ensino/ aprendizagem do teatro em diferentes territórios, abordando especialmente o universitário e o livre (conhecido como “amador” - inclusive discutindo este conceito, equivocadamente compreendido pelo senso comum como pejorativo).



A música é um fenômeno social, mas a expressão sonora atinge os seres em regiões que outras formas de conhecimento não são capazes de alcançar. O entendimento do fenômeno musical ultrapassa seu uso instrumental tanto no âmbito escolar quanto não-escolar, por isso refletir e debater seu lugar na sociedade é premente e de suma importância para o cenário musical.








Nenhum comentário:

Postar um comentário