27 de maio de 2011

O MENINO E O CÉU (MT) - Festival Palco Giratório 2011

Espetáculo apresentado pela Cia Faces (MT), no Festival Palco Giratório 2011, no dia 26-05-2011. (Fotos: Jan Moura)




MAIS FOTOS EM NOSSO FLICKR:
http://www.flickr.com/photos/sescmt

Domingo! Espetáculo infantil O FIO MÁGICO (PE) encerra o FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO 2011


Sinopse do espetáculo: 
O Fio Mágico é a história de Gérard, um menino impaciente que recebe o dom de adiantar o tempo manipulando o fio de sua própria vida. Mesmo diante de uma situação fantástica, que aparentemente resolveria seus problemas, o personagem se depara com conflitos entre o bem e o mal, o envelhecimento e a inevitabilidade da morte. A vivência o leva a construir outro olhar sobre o significado da vida. A história mostra que é possível vencer obstáculos e ser bem sucedido mesmo sem se ter um dom especial. Que a mágica da vida reside em se vivê-la plenamente.

Aliada à natureza da trama, a utilização do teatro de animação possibilita que sonho, fantasia e imaginação se misturem formando uma realidade leve e peculiar. A presença constante da música e o bom-humor do espetáculo facilitam o envolvimento do público com temáticas que poderiam parecer pesadas se fossem feitas de forma naturalista. As ações são narradas por três parcas, personagens da mitologia grega que puxam, tecem e cortam o fio da vida. As narradoras manipulam e contracenam com os bonecos dentro da proposta de potencializar o envolvimento entre espectadores e personagens. 

O FIO MÁGICO, MÃO MOLENGA - Teatro de Bonecos (PE)
29/05 - 17h - Teatro - Classificação: 
Livre - Entrada 1 litro de leite longa vida





 Histórico do grupo:
O Mão Molenga Teatro de Bonecos é uma companhia especializada em bonecos e formas animadas que atua em teatro desde 1986. Nesses 24 anos de atividades ininterruptas, a companhia tem levado sua arte onde é possível, sempre com o desejo de conquistar diferentes públicos e estimular novos artistas a seguirem o mágico ofício de dar vida ao inanimado.

Seu espetáculo de estréia foi O Retábulo da Barafunda, apresentado na Galeria Metropolitana de Arte Aloísio Magalhães, atual Mamam. Nele, manipulavam bonecos de boca articulada feitos de espuma e tecido. Nos anos seguintes, o Grupo aprimorou técnicas de confecção e manipulação, diversificando sua produção, utilizando papier  maché, couro, madeira e diferentes materiais e acabamentos. Em O Sem Nome, montagem experimental a partir da adaptação livre do texto Coram Populo do sueco August  Strindberg (1849-1012), os bonecos foram criados inspirados no universo fantástico do pintor holandês Hieronymus Bosch (1450-1516).

Com suas produções mais recentes A Cartola Encantada e Babau o Mão Molenga chegou a todas as regiões do País desde 2006, através da participação no Palco Giratório, projeto de circulação nacional de espetáculos do SESC e no Festival Sesi Bonecos com apresentações de suas encenações e participação nas campanhas para televisão.

Em TV, já são mais de 15 anos de experiência onde se destaca a participação na campanha de São João do SBT (TV Jornal-Recife), de 1991 a 1996, com historinhas criadas, produzidas e co-dirigidas pelo grupo. Mais recentemente, entre 1998 e 2001, o Mão Molenga protagonizou com seus bonecos os 30 episódios da Série 5 Séculos de história, realizada pela Fundação Joaquim Nabuco (MMP) para a TV Escola/MEC, até hoje na programação de TVs públicas e educativas.

Integram o Mão Molenga Fábio Caio, ator, aderecista e arte-educador; Marcondes Lima, diretor, ator, cenógrafo, figurinista e professor de Artes Cênicas da UFPE; Carla Denise, jornalista, atriz-manipuladora, roteirista e dramaturga e Fátima Caio, psicóloga, arte-terapeuta e atriz-manipuladora.



Ficha técnica do espetáculo:

Direção cênica/ Direção de arte: Marcondes Lima
Autora: Carla Denise
Elenco: Fábio Caio, Marcondes Lima, Fátima Caio
Criação dos bonecos: Marcondes Lima e Fábio Caio.
Execução dos bonecos e adereços: Atelier do Mão Molenga e convidados: Altino Francisco,  Elias Costa e Lucas Torres
Direção musical: Henrique Macedo
Composições: Henrique Macedo e Carla Denise
Confecção de cenários: Atelier do Mão Molenga
Marcenaria: Gustavo Araújo Teixeira
Cenário em 2D: George Cabral
Confecção de figurino (atores e bonecos) - Maria Lima
Programação visual e Design de Luz: Sávio Uchoa
Operador de Luz: Pedro Vilela
Operador de Som: José Neto
Fotografias e divulgação: Carla Denise
Produção: Mão Molenga Teatro de Bonecos




REBU (RJ) é o penúltimo espetáculo do FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO 2011


Sinopse do espetáculo: A história se passa no século XIX, quando um jovem casal se prepara para receber a visita da irmã adoentada do chefe da casa e uma espécie de filho dela. A presença dos visitantes gera rivalidades . O embate irá às últimas conseqüências.

REBU- Teatro independente (RJ)
28/05 - 20h - Teatro - Classificação: 14 anos - Entrada 1 Litro de Leite Longa Vida



Histórico do grupo: O Teatro Independente foi criado em 2006 com o esquete “CACHORRO!”, participante do I Mercadão Cultural – RJ e do III Festival de Esquetes de Cabo Frio, sendo vencedor dos prêmios de Melhor Esquete e Melhor Direção em ambos festivais. O esquete deu origem ao primeiro espetáculo do grupo, também intitulado “CACHORRO!”. Estreado em outubro de 2007 no Espaço Sesc e reestreado em novembro no Teatro Maria Clara Machado (Planetário da Gávea). “CACHORRO!” recebeu a indicação ao Prêmio Shell 2007 de Melhor Direção. Atualmente em turnê, o espetáculo ficou em temporada em São Paulo, percorreu onze cidades do Rio Grande Sul e participou de festivais como FIT - São José do Rio Preto (SP), São João Del Rey (MG) e FITA - Angra dos Reis (RJ). 





Ficha técnica do espetáculo:
Texto: Jô Bilac 
Direção: Viniciús Arneiro
Elenco: Carolina Pismel, Julia Marini, Diego Becker e Paulo Verlings 
Figurino: Marcelo Olinto 
Iluminação: Paulo César Medeiros 
Cenário: Daniele Geammal 
Trilha Sonora Original: Luciano Corrêa
Classificação etária: 14 anos 
Gênero: Tragicomédia
Duração: 75 minutos




Hoje! Teatro Independente (RJ) apresenta CACHORRO! - Festival Palco Giratório 2011


Sinopse do espetáculo: 
CACHORRO! narra a trajetória de um triângulo amoroso composto por uma mulher e dois homens que são amigos há muito tempo. O drama dá-se de forma contundente na medida em que o marido não está ciente da "sociedade amorosa" na qual está inserido. A sensação de perigo constante e o desejo pelo proibido fazem com que os amantes se arrisquem mais do que deveriam... 

CACHORRO! - Teatro independente (RJ)
27/05 - 20h - Teatro - Classificação: 14 anos - Entrada 1 litro de leite longa vida



Ficha Técnica
Texto – Jô Bilac
Direção – Vinícius Arneiro
Elenco – Carolina Pismel, Paulo Verlings e Vinícius Arneiro
Iluminação – Paulo César Medeiros
Figurinos – Júlia Marini
Trilha Sonora Original – Diogo Ahmed
Cenário – Daniele Geammal
Preparação Vocal – Stefânea Corteletti
Fotos – Paula Kossatz
Duração – 70 minutos
Faixa etária- 14 anos




Livremente inspirado no universo de Nelson Rodrigues, com dramaturgia original de Jô Bilac, CACHORRO! – que rendeu a Vinícius Arneiro a indicação de melhor direção do Prêmio Shell de 2007 no Rio de Janeiro. O espetáculo traz no elenco os atores Carolina Pismel, Paulo Verlings e Vinícius Arneiro  integrantes da companhia Teatro Independente.

 “Nelson Rodrigues é, na peça, o veículo para uma inspiração livre. Recolhemos tudo o que foi possível, todo o material, os pensamentos arquitetados a partir do autor, para então tirarmos a essência e explorar o inesgotável dramaturgo. Concebemos um texto que Nelson não redigiu, mas que de certa forma lhe pertence, porque surge a partir dele e porque diz respeito ao seu universo dramático”, conta Vinícius.

A dramaturgia de Jô Bilac

 A dramaturgia original de Jô Bilac realiza uma costura de elementos da também típica linguagem rodriguiana, preservando o ritmo, o uso de expressões que hoje soam cômicas, a maneira como as situações se desenrolam até o grande final trágico. O autor investiu num enredo fechado em detrimento da alternância de histórias.
 Para Vinícius Arneiro é sempre um desafio encontrar novas articulações criativas na abordagem de um autor como Nelson Rodrigues. “Para criar um olhar de proximidade e distância, dissecamos o gênero, atualizamos alguns pontos e subvertemos outros. Buscamos digerir antropofagicamente Nelson como referência fundamental da cultura popular carioca”, frisa o diretor.


Diálogo com a atualidade

 Em CACHORRO!, o diretor procurou valorizar os elementos atemporais que identifica como mais pertinentes à contemporaneidade dentro da obra de Nelson. "Há uma potencialidade nos impulsos dos personagens que dialoga com os dias de hoje. Acho que o mundo atual é cada vez mais impulsivo e veloz. E os personagens de Nelson, principalmente os da “A vida como ela é” e os das tragédias cariocas costumam não ser atravessados por um processo psicológico. Os ímpetos são passionais.", afirma Vinícius.




O Teatro Independente foi criado em 2006 com o esquete “CACHORRO!”, vencedor do I Mercadão Cultural – RJ nas categorias "Melhor Esquete" e "Melhor Direção". O esquete deu origem ao primeiro espetáculo do grupo, o também intitulado “CACHORRO!”. Estreado em outubro de 2007 no Espaço Sesc, a peça ficou em cartaz um ano no projeto "Repertório" no Teatro Maria Clara Machado (Planetário da Gávea), “CACHORRO!” recebeu a indicação ao PRÊMIO SHELL 2007 de Melhor Direção. Ainda em turnê, o espetáculo já percorreu 60 cidades do país e ultrapassou 200 apresentações. Tendo também passado por festivais como o FIT - São José do Rio Preto (SP),  FITA - Angra dos Reis (RJ), Festival Nacional de Recife, Mostra Cariri - CE 2008  entre outros. "REBÚ", novo projeto da Companhia foi contemplado pela lei de fomento através da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, estreou na sede da Cia. dos atores no Rio de Janeiro e participou da mostra oficial do Festival de Teatro de Curitiba 2010, FIAC Bahia, Festival de Florianópolis, Festival Nacional de Recife, Mostra SESC Cariri de cultura 2010, FITA Angra e Mostra Outubro no Teatro de João Pessoa. Além de duas temporadas simultâneas e bem recebidas pelo público e pela crítica no eixo Rio- São Paulo em Junho e Julho de 2010.  O Teatro Independente é formado pelos integrantes: Carolina Pismel, Paulo Verlings, Vinicius Arneiro, Julia Marini e Jô Bilac.





26 de maio de 2011

SESC Balneário apresenta SEMANA SESC DO MEIO AMBIENTE



SESC Balneário promove Projeto da Semana do Meio Ambiente


Entre os dias 30 de maio a 5 de junho de 2011, o SESC Balneário promoverá o Projeto da Semana do Meio Ambiente, uma semana voltada para as questões relativas à educação e preservação ambiental através de palestras, oficinas, mesas redondas, exibição de vídeos, instalações artísticas, túnel das sensações, gincanas educativas, borboletário e árvore da vida.


O evento tem o objetivo de promover atividades que contribuam para a compreensão da diversidade e complexidade das questões ambientais em todo o município em parceria com diversas instituições, implementando e articulando ações de educação ambiental. Ainda estabelece despertar consciência critica na população cuiabana sobre as graves questões ambientais do país, a partir de um trabalho dirigido à comunidade escolar brasileira.

Objetivo específico é promover educação ambiental no ambiente escolar, de forma a auxiliar na formação de professores e alunos multiplicadores da informação para a comunidade; desenvolver uma visão globalizante multi e interdisciplinar; estimular práticas que levem a integração entre as séries, disciplinas, escola, meio e a comunidade; composição dos temas que abrem possibilidades para uma visão mais ampla e crítica da questão ambiental; e homogeneização das informações ambientais às pessoas, alunos, aos professores, independente da série, disciplina ou grau em que atuem.

O destaque do evento está na montagem de stand´s temáticos com os biomas Amazônia, Pantanal, Cerrado e Caatinga (bioma endêmico do Brasil) onde através de fotos e banner´s serão apresentados as principais características desses biomas (relevo, fauna, flora, atrativos turísticos, curiosidades) e de outro lado os principais problemas (devastação, degradação, riscos ambientais e pressão econômica) levando o publico a refletir sobre o tema. 

Haverá também uma ilha na qual vai estar a "Árvore da Vida", de um lado a natureza com toda sua exuberância vida e encantamento e de outro a ilha degradada morta exemplificando o desenvolvimento desordenado, os agrotóxicos e as agressões causadas por essas ações.

O DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

 O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado em 5 de junho. A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia. Por meio do decreto 86.028, de 27 de maio de 1981, o governo brasileiro também decretou que neste período em todo território nacional se promovesse a Semana Nacional do Meio Ambiente.
      
Atualmente, a causa ambiental está sendo o centro de muitas discussões entre órgãos públicos, iniciativa privada, organizações não governamentais e comunidades locais. Tomar atitudes individuais em prol da preservação do meio ambiente é um grande passo nessa luta que se estende por todo o mundo, ajudando a desenvolver a economia e a qualidade de vida das pessoas.
      
A responsabilidade social tem impulsionado a cada ano a participação das Instituições, principalmente as educacionais que buscam difundir o conhecimento a cerca do Meio Ambiente em busca do tão sonhado desenvolvimento sustentável.


VEJA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA AQUI:





SESC Porto oferece OFICINA CULINÁRIA DA VOVÓ: PÃO DE QUEIJO






O SESC Porto oferece diversos cursos rápidos de culinária. Nessa edição da Oficina Culinária da Vovó aprenda a fazer um delicioso Pão de Queijo. 


SESC Porto - 27/05 - 14h - Cozinha Experimental - Inscrições na Central de Atendimento 1 litro de leite longa vida. 
Mais informações: (65) 3611-0700

SESC Porto apresenta SESC EM AÇÃO: Aula Intergeracional de Judô



O SESC Porto oferece mais um desafio! Esta edição do SESC Em Ação propõe uma grande aula coletiva de Judô, para todas as categorias. 

28/05 - a partir das 14h - SESC Porto - Entrada Franca
Informações: (65) 3611-0700 - Inscrições Abertas

Hoje! DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS - Mostra 50 anos de LC Barreto




Em comemoração aos mais de 50 anos da produtora, a mostra apresenta obras marcantes do cinema brasileiro, mesclando filmes que obtiveram sucesso de público, obras apontadas como referências estéticas, adaptações de obras literárias, entre outros.


26/05 - DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS ( Dir. Bruno Barreto)


Durante o carnaval de 1943 na Bahia, Vadinho (José Wilker), um mulherengo e jogador inveterado, morre repentinamente e sua mulher, Dona Flor (Sônia Braga), fica inconsolável, pois apesar dele ter vários defeitos era um excelente amante. Mas após algum tempo ela se casa com Teodoro Madureira (Mauro Mendonça), um farmacêutico que é exatamente o oposto do primeiro marido. Ela passa a ter uma vida estável e tranqüila, mas tediosa e, de tanto "chamar" pelo primeiro marido, ele um dia aparece nu na sua cama. Então ela pede ajuda a uma amiga, dizendo que quase foi seduzida pelo finado esposo. Um pai de santo se prontifica a afastar o espírito de Vadinho, mas existe um problema: no fundo Flor quer que ele fique, pois há um forte desejo que precisa ser saciado.

Hoje! Cia Faces (MT) apresenta espetáculo infantil O MENINO E O CÉU - Festival Palco Giratório 2011


O MENINO E O CÉU - Cia Teatro Faces (MT)
26/05 - 20h - Teatro - Classificação: Livre - Entrada 1 litro de leite longa vida

O menino e o céu” narra a saga de um menino e seu jumento em busca de um passarinho que vai ensiná-los a voar para que assim ele possa pedir para a chuva voltar a cair. No caminho eles encontram um sapo que não consegue mais pular, um camaleão com mania de perseguição, duas asas-brancas um pouco irritadas e um urubu cheio de maldades. Ambientada no nordeste, toda a cor, o sotaque e a alegria daquela região são postas a prova, no espetáculo mais premiado da Companhia.


24 de maio de 2011

Hoje! CIA DITA (CE) apresenta DE-VIR - Festival Palco Giratório 2011



Sinopse do espetáculo:  Quatro performers em cena pontuando as interferências do corpo com seu ambiente. O corpo entendido como uma mídia que avança por acelerações, rupturas, diminuições de velocidade, desmembrando, constantemente, uma nova roupagem. “De-vir” propõe intensificar esses movimentos ondulatórios engendrando a idéia de um novo design, que pode re-compor a disposição e a ordem dos elementos essenciais que compõem as estruturas físicas de uma pessoa.

DE-VIR - Cia Dita (CE)
24/05 - 20h - Teatro - Classificação: 18 anos - Entrada 1 litro de leite longa vida




Ficha técnica do espetáculo:
 Direção e coreografia: Fauller
Assistência de direção: Wilemara Barros
Bailarinos: Wilemara Barros, Henrique Castro, Marcelo Hortêncio, Fauller
Música: Ryoji Ikeda
Som: Wilenaina Barros
Luz: Fernando Peixoto, Operação: Fábio Oliveira
Fotografia: Alex Hermes
Produção: Ato Produção e Marketing Cultura

Classificação etária: 18 anos
Gênero: Dança Contemporânea
Duração: 40 minutos
Endereço virtual: WWW.ciadita.com

21 de maio de 2011

Neste Domingo! A LENDA DAS LÁGRIMAS - Cia Polichinelo (SP) - Festival Palco Giratório 2011



Sinopse do espetáculo: O que pode o amor? Mogi era uma linda índia da tribo Tupi - mãe de todas as tribos ainda existentes no Brasil. A índia se apaixona por um guerreiro da tribo, mas ele escolhe outra, entre as demais jovens da tribo para desposar e parte com ela para outras terras, deixando o coração de Mogi cheio de saudade. Os deuses então se compadecem da jovem índia e lhe concedem um pedido. Eis então a escolha: a jovem Mogi pede para ser transformada em uma alta montanha para que, do alto, possa contemplar seu amado. E a sua saudade, bem como as lembranças de seu amor lhe façam companhia por toda a vida. É neste momento que surge um dos mais conhecidos rios de nossa região: o rio “Mogi Guaçu” - alimentado pelas lágrimas de saudade da jovem índia. “A Lenda das Lágrimas” é um espetáculo emocionante, para corações de todas as idades 

A LENDA DAS LÁGRIMAS - Cia Polichinelo (SP)
22/05 - 20h - Teatro - Classificação:Livre - Entrada 1 litro de leite longa vida


Histórico do grupo: Fundada em janeiro de 1997, a Cia Polichinelo nasceu com o objetivo de aprofundar-se na pesquisa e na prática do teatro de bonecos.
Desde então, ela está sob a direção de seu fundador, o ator e diretor Márcio Pontes, que sempre teve pelos bonecos uma grande paixão. Nesses 10 anos de trabalho ininterrupto ( fato não muito comum na área artística ) a Cia Polichinelo produziu mais de 25 trabalhos, incluindo espetáculos, contações de histórias e performances artísticas que foram apresentadas por todo o estado Paulista.
Hoje, o Polichinelo possui cerca de seis espetáculos em repertório e desdobra-se para levar seus trabalhos a várias cidades, escolas, órgãos culturais, entre outros espaços ávidos pela presença forte e marcante de suas montagens.
Hoje, a Cia Polichinelo continua desenvolvendo sua pesquisa e caminha sólida em seu objetivo - ser uma cia. que se predispõe a difundir o teatro de bonecos, fomentando novas iniciativas nesse contexto e contribuindo para o desenvolvimento da cultura.

Cia Polichinelo (SP) apresenta o espetáculo FRANKENSTEIN



Sinopse do espetáculo: Em seu laboratório, Victor Frankenstein está muito ocupado costurando uma imensa criatura e para que todos saibam de sua proeza, Victor anota tudo em seu diário, deixando para a eternidade o relato de sua aventura.
Depois de atingida por um raio, a criatura finalmente ganha vida, mas é abandonada por Victor que, com medo de sua própria criação, foge para longe, deixando de lado seu experimento. Sozinha, a criatura passa a andar pelas redondezas do castelo o que causa um grande susto nas pessoas que cruzam com essa aberração em seu caminho.
Com medo, as pessoas recusam se aproximar do “monstro”, mas ele encontra amizade em alguns pequenos momentos. Depois de encontrar o diário de Victor e ler toda a sua história, a criatura pensa que pode ser aceita pelo seu criador e o procura. Mas o cientista, ainda com medo,também o espanta. Não aceito e agredido pela população, a criatura realmente torna-se um monstro. E pode atacar a qualquer momento!

FRANKESTEIN - Cia Polichinelo SP)
21/05 - 20h - Teatro - Classificação:Livre - Entrada 1 litro de leite longa vida





Histórico do grupo: Fundada em janeiro de 1997, a Cia Polichinelo nasceu com o objetivo de aprofundar-se na pesquisa e na prática do teatro de bonecos.
Desde então, ela está sob a direção de seu fundador, o ator e diretor Márcio Pontes, que sempre teve pelos bonecos uma grande paixão. Nesses 10 anos de trabalho ininterrupto ( fato não muito comum na área artística ) a Cia Polichinelo produziu mais de 25 trabalhos, incluindo espetáculos, contações de histórias e performances artísticas que foram apresentadas por todo o estado Paulista.
Hoje, o Polichinelo possui cerca de seis espetáculos em repertório e desdobra-se para levar seus trabalhos a várias cidades, escolas, órgãos culturais, entre outros espaços ávidos pela presença forte e marcante de suas montagens.
Hoje, a Cia Polichinelo continua desenvolvendo sua pesquisa e caminha sólida em seu objetivo - ser uma cia. que se predispõe a difundir o teatro de bonecos, fomentando novas iniciativas nesse contexto e contribuindo para o desenvolvimento da cultura.





Ficha técnica do espetáculo:
Conto original: Mary Shelley
Adaptação/Texto: Márcio Pontes
Equipe de Criação: Carolina Jorge, Jota R, Cassiano Ramos, Márcio Pontes,              
                                               Ricardo Dimas e Yuri Valério
Figurino:  Márcio Pontes
Figurino/Execução:  Elizabetn Ferreira
Bonecos/Cenário: Márcio Pontes
Músicas:  Luciano Pedro Antônio
Mixagem CD: Studio G7 produções
Sonoplastia e Iluminação: Yuri Valério
Elenco:  Betto Marx, Márcio Pontes, Ricardo Dimas e Carolina Jorge
Apoio técnico: Valter Oliveira
Direção: Márcio Pontes
Ass Direção: Yuri Valério
Produção: Cia Polichinelo de teatro de Bonecos.

Classificação etária: a partir de 06 anos.
Gênero: Teatro de Bonecos
Duração: 50 minutos
Endereço virtual: www.ciapolichinelo.com.br

19 de maio de 2011

Grupo Moitará (RJ) apresenta QUIPROCÓ - Festival Palco Giratório 2011



Sinopse do espetáculo: "Quiprocó é um espetáculo lúdico, que se alimenta do universo cultural brasileiro para criação de “tipos” genuinos, com seus sonhos, crenças e costumes, fazendo alguns paralelos entre os arquétipos e o gênero da Commedia Dell’Arte. Quiprocó contempla o espírito festivo dos brincantes, a inventividade dos contadores de causos e a criatividade de sobrevivência do povo brasileiro. Num encontro oportunista, três “personagens-tipos” - cada um na sua rotina - tentam saciar seus desejos, utilizando artimanhas de sobrevivência e, num jogo divertido de qüiproquós, são deflagrados conflitos dos sentimentos humanos."

QUIPROCÓ - Moitará (RJ)
20/05 - 20h - Teatro - Classificação:Livre - Entrada 1 litro de leite longa vida



Histórico do grupo: O Grupo Teatral  Moitará, desde 1988, desenvolve uma pesquisa continuada sobre o trabalho do ator, buscando compreender os princípios que fundamentam sua arte, tendo nos estudos dos aspectos e funções da Máscara Teatral a base para a elaboração de uma metodologia própria.  Ao longo desses anos, vem realizando projetos artísticos, didáticos e socioculturais por meio de oficinas, espetáculos, exposições e palestras-espetáculos por todo o Brasil e participando de festivais nacionais e internacionais.


Direção geral: Venício Fonseca
Roteiro, texto e produção: Grupo Teatral Moitará
Atores: André Marcos, Erika Rettl e Fabiano Manhães
Preparação do ator com a linguagem da máscara teatral: Erika Rettl e Venício Fonseca
Criação das máscaras: Venício Fonseca e Erika Rettl
Confecção das máscaras: André Marcos, Erika Rettl e Fabiano Manhães
Pintura das máscaras: Erika Rettl
Produção executiva: Venício Fonseca
Assistente produção executiva: Angela Mattos
Figurinos, adereços e cenário: Carlos Alberto Nunes
Assistente de figurinos e adereços: Lia Farah
Confecção do boneco: Márcia Marques
Pintura de arte cenário e visagismo: Martine Brillard
Educação vocal: Alba Lírio
Iluminação: Djalma Amaral
Assistência de luz: AlbertoTimbó
Arranjos das músicas, preparação musical e orientação acordeon: Fáthima Rodrigues
Embolada quiprocó (letra e música): Mauro Menezes
Orientação violino: Frida Maurine
Cenotécnico: Antonio Domingues (Tuninho) e Álvaro de Sousa
Assistente de cenotécnico: Fagner Campos
Design gráfico: Ato Gráfico / Marcos Corrêa
Confecção de figurinos:  (brincantes) Suely Gerhardt, (personagens) Selma de Almeida, (cenário) Berenice Dias Lopes
Fotos: Celso Pereira e Djalma Amaral
Classificação etária: Livre








Cia Imbuaça (SE) apresenta O MUNDO TÁ VIRADO - Festival Palco Giratório 2011


Sinopse do espetáculo: O texto é fruto da união de três histórias curtas que refletem com humor a condição ingênua do ser humano e seu antônimo: a esperteza. Elementos convencionais da ação teatral aliam-se a novos procedimentos estéticos. Através de rimas, imagens, música e dança, o grupo construiu a poética do espetáculo. 

O MUNDO TÁ VIRADO - Imbuaça (SE)
19/05 - 20h - Jardim - Classificação: Livre - Entrada Franca




Histórico do grupo: O Grupo Imbuaça (nome que homenageia o embolador Mane Imbuaça), foi fundado na cidade de Aracaju/SE, em 28 de agosto de 1977 com o objetivo de montar espetáculos de Rua inspirados na Cultura Popular. Ao longo dos seus 33 anos de atividades, montou 24 espetáculos, viajou por quase todo o Brasil e pelos países Portugal, Equador, Cuba e México. Participou dos mais importantes Festivais de Teatro do país. Mantem uma sede no Bairro Antonio (Aracaju/SE), onde desenvolve uma série de ações, dentre elas: Projeto Mane Preto – Ação Cidadania, Oficinas de Teatro, Ponto de Cultura Digital, Apresentações de espetáculos.
A montagem do “Mundo ta virado” é uma continuidade da pesquisa de linguagem do grupo que envolve uma reflexão sobre a Cultura Popular e suas variantes, aliado ao trabalho de ocupação do espaço da rua na plano horizontal.



Ficha técnica do espetáculo:
Texto/concepção: Iradilson Bispo
Trilha sonora: Cancioneiro popular (músicas folclóricas, domínio popular)
Elenco: Isabel Santos Neves
              Manoel Luiz Cerqueira
            Lindolfo Amaral
            Luciano Lima
           Talita Calixto
           Rita Maia
           Carlos Wilker
           Kessia, Mercya
           Rose Moura
Som: Cristiano Andrade
Montagem: Rogers Nascimento Santos

Classificação etária: Livre
Gênero: Teatro de Rua
Duração: 60 minutos