15 de fevereiro de 2011

O HOMEM E A MANCHA. Nesta quarta-feira no DRAMATURGIA LEITURAS EM CENA





O HOMEM E A MANCHA


16/02 - 20h - Teatro do SESC Arsenal - Entrada Franca
Grupo de Intervenção Artística Unidos do Parque Geórgia

Em O Homem e a Mancha, como em todo grande drama, o personagem singular ou problemático que se afasta do seu papel e até mesmo o desafia fornece o componente essencial para a ação dramática. Hamlet não se adequa nem ao seu papel como vingador nem à sua função como príncipe. Abreu toma como seu ponto de partida um personagem notoriamente incapaz de cumprir o papel que ele mesmo se atribuiu, Dom Quixote; a partir daí, pratica experimentos com a alienação brechtiana. O texto  é comovente devido à sua possível dimensão autobiográfica. Um dos heterônimos do personagem –o mais perturbador– é “o Homem da Mancha” que está histericamente à procura de “manchas” e se apavora especialmente com a possibilidade de manchas púrpuras ou corpóreas, onde o personagem que vive encontrando manchas, referências ao HIV que ele pode ter contraído. A última peça de Abreu mostra que o teatro lida com significados e mensagens, aquilo que lhe dá qualidade artística  não é o seu conteúdo, mas o seu afeto, com uma força ou estilo sensível, através do qual produz seu conteúdo. 

Direção: Yandra Firmo
Leitores/Atores: Andreza Moraes Branco Leria, Jansen Thiago, Claudio Dias e Yandra Firmo.
Som e Luz: Grupo de Intervenção Artística Unidos do Parque Geórgia
Ambientação Cênica e Figurino: Grupo de Intervenção Artística Unidos do Parque Geórgia
Classificação: 16 anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário