24 de abril de 2015

Morena Nascimento apresenta Rêverie e ministra oficina ao lado de Carolina Bianchi no Sesc Arsenal

Assessoria - O espetáculo já fez sessões na Alemanha, França, Minas Gerais, Pernambuco e por diversas cidades do Estado de São Paulo. Além da apresentação do solo em Cuiabá, o workshop de dança e composição dramatúrgica MASSA será lecionado pela bailarina Morena Nascimento e pela dramaturga Carolina Bianchi nos dias 28 e 29 de abril

A bailarina Morena Nascimento faz apresentação única do solo Rêverie no Teatro do Sesc Arsenal dia 29 de abril, às 20h. A entrada é gratuita e os ingressos podem ser retirados com uma hora de antecedência. Ao lado de Carolina Bianchi, que assina a dramaturgia do espetáculo, a bailarina concede, também gratuitamente, a Oficina Massa, workshop que experimenta, provoca, testa e desdobra os elementos cênicos de Rêverie. Para participar, basta enviar e-mail para lconceicao@sescmatogrosso.com.br com nome completo, breve carta de intenção e telefone para confirmar a inscrição. A oficina acontece dias 28 e 29 de abril, das 9h até o meio dia.

Sobre Rêverie
A estreia internacional Rêverie de ocorreu no final de 2013, na Alemanha. Já no Brasil, Morena estreou o solo no Sesc Belenzinho, em agosto de 2014. A partir daí, houve sessões em Minas Gerais, diversas cidades do interior de SP, Pernambuco e Clermont-Ferrand (França), onde se apresentou no mês de dezembro em quatro sessões lotadas.
“Rêverie é um trabalho que fala diretamente ao coração das pessoas. Ele é instigador por trabalhar com cortes e colagens que causam uma sensação de descontinuidade no pensamento e imaginação do público”, conta Morena.
No espetáculo, quatro projetores de slides lançam focos coloridos de luz. Em cena, a bailarina veste figurino inspirado na Alemanha pós-guerra (saia cinza, blusa branca e sapato marrom). Flagrada em diferentes posições e expressões, com os cabelos molhados e soltos, ocupa variados espaços do palco. Para maior efeito dramático, blackout (num jogo de revela-esconde). Como fotografias sobrepostas ou fotomontagem, ela reproduz sonhos e estados de espírito.
Depois de Claraboia - apresentado pela bailarina e coreógrafa na versão solo e com um desdobramento que conta com bailarinos sobre a claraboia de uma piscina (em ambos espetáculos a direção é de Morena Nascimento e Andreia Yonashiro) -, a bailarina aprofundou suas pesquisas plásticas e artísticas, descobrindo outros sentimentos.
Ora com música vibrante, ora com sons mais suaves, Rêverie potencializa a camada dramatúrgica do espetáculo anterior. A diretora, dramaturga e atriz Carolina Bianchi foi convidada para trabalhar em conjunto na composição da obra.
O solo teve estreia internacional na Alemanha, onde Morena Nascimento apresenta-se regularmente desde que integrou por três anos (e hoje segue como bailarina convidada) a companhia da coreógrafa alemã Pina Bausch (1940 – 2009), ícone da dança contemporânea.
O título da obra sintetiza pontos importantes da criação. Rêverie é uma palavra francesa que faz sentido em outras línguas, já que é análoga no inglês e no alemão, exceto pela pronúncia e acento. Seu significado – devaneio – foi explorado exaustivamente pelas artistas. A escolha da palavra no francês se deu pela sua sonoridade, que é menos agressiva do que em outros idiomas. O subtítulo de Rêverie também é uma narrativa à parte: Sonho de desastre cósmico com final feliz imaginado por uma atriz e uma bailarina. ou an uncontrolled response.
Imagem, coreografia e texto são mesclados. O conteúdo dramático é preenchido por músicas, tema de pesquisa e paixão de Morena e Carolina. O playlist funcionou como um termômetro para a criação do espetáculo, além de atuar como estímulo sonoro para a bailarina.
Entre silêncios, textos em inglês (Emotional Storm e These are Not My Hands), francês, alemão, espanhol e português, entram canções de Timber Timbre, Ray Connif, Rodrigo Amarante, Dominique A, Joan Baez e Os Tincoãs. “Não nos preocupamos em traduzir. Não entender todas as frases também faz parte do espetáculo e dá a chance do público buscar reinterpretações para esses momentos”, explica Morena.
Idealizado por Morena, Rêverie foi criado em parceria pelas duas artistas, que também dividem a direção. “Não sabemos onde termina o trabalho de uma e começa o de outra”, comenta Carol. “O risco que existe quando dois artistas que trabalham com ferramentas diferentes se unem é muito interessante. Nós não precisávamos segregar as coisas. Essa união fazia borbulhar as possibilidades.”
Músicas, movimentos e o próprio texto foram elaborados a partir de uma pesquisa intensa e conjunta. Morena conta que nunca fez cursos de teatro ou de canto, e o resultado de seu último trabalho é uma obra homogênea, que reproduz muita força criativa em todos os momentos.
“É ideal que Rêverie seja apresentado em locais onde possa haver proximidade entre mim e o público. Quero que as pessoas me ouçam quando eu precisar sussurrar algo e que se sintam como se estivessem dialogando comigo”, diz a bailarina.
O ponto de partida de Rêverie é a observação do trabalho de fotomontagens/colagens da fotógrafa alemã Grete Stern (Sueños), nascida em 1903 em Wuppertal, na Alemanha, e mais tarde radicada em Buenos Aires.
Morena Nascimento optou por não utilizar tecnologia de ponta. Preferiu manter a característica low tech, aproveitando o som quase sujo do projetor e o corte seco das imagens. O público é ambientado dentro dos fragmentos de cenas, pontuados pelo desenho de luz de Fabio Retti.
A dança não engancha em algo específico. A estética possibilita a exibição de figuras surreais, amparadas por imagens reproduzidas pelos projetores. Além de recriar cores e fotografias, eles também integramo cenário minimalista, já que ficam na boca de cena.
Carolina traz como característica de seus trabalhos uma urgência em se comunicar com o público. Para este espetáculo, afirma que a crise de linguagem dialoga com as imagens sem haver uma ligação direta com a lógica e a objetividade. “As coisas não andam só em uma direção no discurso e na dança apresentados em Rêverie. As frequências se atravessam o tempo inteiro. É tudo sempre extremo.”
Morena acentua que o texto de Carol tem uma natureza cortante, que também foi essencial para o resultado da obra. “Uma inseriu ideias na outra agressivamente. Eu gosto muito de ser intérprete, de ser dirigida. Preciso de alguém que me provoque”, relata a bailarina.

Sobre a Oficina MASSA
A natureza cortante dos textos de Carolina Bianchi foi essencial para a composição de Rêverie, solo coreografado e interpretado por Morena Nascimento, bailarina conhecida por sua versatilidade ao atuar em segmentos artísticos distintos e por participar de espetáculos da companhia da renomada Pina Bausch. Agora, a parceria de ambas será compartilhada na oficina de dança e composição dramatúrgica MASSA, direcionada a bailarinos, atores e artistas do corpo e da cena em geral, a atividade é gratuita.
Morena e Carolina, ambas as autoras nas instâncias artísticas de seus trabalhos, têm uma preocupação em comum: se comunicar com o público. Por isso, o workshop MASSA tem o objetivo de experimentar, provocar e testar os procedimentos com um grupo maior e desdobrá-lo em um acontecimento cênico.

Sobre Morena Nascimento
Morena Nascimento é bailarina e coreógrafa. Integrou de 2007 a 2009 o Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, companhia com a qual continua contribuindo artisticamente como bailarina convidada. Recentemente atuou em filme de homenagem a Pina Bausch sob direção de Wim Wenders. A convite da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde graduou-se em 2001 no curso de Artes. Corporais, atuou como professora colaboradora do curso de graduação no Departamento de Artes Corporais, no período de agosto de 2010 a junho de 2011.
Recebeu o prêmio Klauss Vianna de Dança 2010, pela Funarte, para montagem de um novo espetáculo em parceria com o artista Kleber Damaso. Trabalhou com coreógrafos internacionais como Susanne Link (Alemanha), Mark Scieszkarek (Irlanda), Rodolfo Leoni (Brasil), Vera Mantero (Portugal) e Chikako Kaido (Japão). Cursou a Folkwang Hochschule, em Essen, Alemanha, de 2006 a 2008, sob supervisão de Dominique Mercy, Malou Airadou e Lutz Föster.
Criou, em 2006, Lady Marmelade, solo de dança estreado na Alemanha e posteriormente convidado para uma turnê em Baguio City, Filipinas. No Brasil, atuou em espetáculos dirigidos por José Possi Neto, Marcio Aurélio, Arto Lindsay, Guga Stroeter e Gisela Moreau. Dentre os coreógrafos brasileiros com quem trabalhou estão: Lara Pinheiro, Jorge Garcia, Ana Vitória, Holly Cavrell, Tuca Pinheiro e Dududde Hermann. Integrou o 1° Ato Grupo de Dança, de Belo Horizonte, sob direção de Suely Machado de 2001 a 2004. Neste período, desenvolveu coreografia de sua própria autoria com o elenco feminino deste mesmo grupo, resultando no trio “Horas de Um Desejo”.
Graduou-se no ano de 2001 no curso Artes Corporais da Unicamp. Em 1999, passou 3 meses na cidade de Nova York frequentando aulas de dança em importantes centros como Limón Institute, Alvin Ailey School, ZVI Gotheiner e Dance Space Center. Desde 2001 realiza seu trabalho autoral com diversas parcerias artísticas se apresentando nos principais festivais e eventos de dança do Brasil.
Entre seus principais trabalhos autorais estão: Clarabóia – 2010 (Parceria com Andréia Yonashiro), Um Diálogo entre Dança e Música - 2010 (Parceria com o pianista Benjamim Taubkin), Sexo, Amor e Outros Acidentes - 2004 (prêmio APCA 2005 de Melhor Criação e Interpretação); Quase Ela – 3 momentos de saudade - 2008 (espetáculo convidado pela Bienal Sesc de Dança 2009, posteriormente apresentado em outros palcos brasileiros); 2 em super 8 - 2003 (duo de dança em parceria com Fábio Dornas e Marcelo Poletto, que fez parte da programação do Rumos Itaú Cultural no ano 2004). Na música, Morena também realiza trabalhos em parcerias com os artistas Alexander Zekke (Paris, Moscou), Max Costa, Natália Mallo e Marcelo Poletto (todos de São Paulo).

Sobre Carolina Bianchi
Atriz, dramaturga e diretora. Formada pela Escola de Arte Dramática ECA-USP. Uma das fundadoras da Cia. dos Outros.Concebeu e realizou a dramaturgia dos últimos trabalhos do grupo: A Pior Banda do Mundo e Solos Impossíveis. Em A Pior Banda do Mundo trabalhou como atriz e dramaturga, além de dirigir em parceria com João Otávio. Em Corra Como um Coelho é atriz e colaboradora na dramaturgia. Assina também a dramaturgia e cocriação de Rêverie, solo da bailarina Morena Nascimento,que estreou em novembro de 2013 em Dusseldorff, Alemanha,no Festival que celebra os 40 anos da Cia. de Pina Baush.
Atua, dirige e realiza a dramaturgia de Solos Impossíveis, apresentado no Sesc Belenzinho em setembro de 2013 na programação de Performáticos, Inquietos e Radicais. Realizou a última edição do projeto Palavras Cruzadas na Oi Futuro no Rio de Janeiro, como performer e dramaturga, ao lado da cantora Silvia Machete e dos artistas visuais do coletivo Opavivará.
Atriz no espetáculo Peça Romântica Para um Teatro Fechado, dirigida e escrita pelo português Tiago Rodrigues - realizado no Festival DoisPontos/ Rio de Janeiro.Trabalhou como atriz no Teatro da Vertigem em A procura de Emprego e em Bom Retiro 958. Realizou parcerias com Cia. das Inutilezas (RJ) e Michel Melamed (RJ). Atuou com os grupos Lasnoias e Cia., Tablado de Arruar, além de diretores como Bete Dorgam, Dagoberto Feliz e Marco Antônio Pâmio. É colunista fixada revista eletrônica de literatura CAIS. Dirigiu o clipe da música Sintonia, da cantora Luana Carvalho.

FICHA TÉCNICA
Idealização, Direção Geral e Atuação: Morena Nascimento. Codireção e Cocriação: Carolina Bianchi. Dramaturgia: Carolina Bianchi com atravessamentos de Morena Nascimento. Desenho e operação de luz: Fabio Retti. Trilha sonora: Morena Nascimento e Carolina Bianchi. Sonoplastia: Miguel Caldas. Voz em Off e Colaborações Gerais: Latieres Leite. Figurino: Morena Nascimento. Fotos: Vitor Vieira. Arte Gráfica: Lucas Länder. Produção Geral: Morena Nascimento. Produção Admnistrativa: Paulo Carvalho. Produção Artística: Gabriel Tolgyesi. Assessoria de Imprensa: Arteplural. Duração: 45 minutos. Classificação: 12 anos.

15 de abril de 2015

AMAZÔNIA DAS ARTES TEM LANÇAMENTO NACIONAL NO SESC ARSENAL



Considerado uma grande rede de intercâmbio das artes e da cultura fora dos grandes centros urbanos, o Sesc Amazônia das Artes chega a sua oitava edição e tem seu lançamento oficial no Sesc Arsenal, em Cuiabá, nos dias 23 e 24 de abril. Esta é primeira vez que Mato Grosso sedia o lançamento do projeto, que se solidifica como um espaço de excelência para a interação entre os artistas e o público dos estados da Amazônia Legal.

Nesses dois dias haverá uma demonstração dos espetáculos e filmes dos estados do Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Maranhão, Amapá, Tocantins, além do Piauí, que, embora não faça parte da Amazônia, integra a rede, como estado convidado. Mais do que incentivar a produção de arte local, o Sesc procura pensar em conjunto soluções para os problemas do “custo amazônico”. Ou seja, a escassez de políticas públicas, pouca formação técnica e superior e a dificuldades de se criar vínculos com o público.

De acordo com Jan Moura, Coordenador de Cultura do Sesc Mato Grosso, o Sesc Amazônia das Artes ultrapassa a divulgação de trabalhos, buscando chamar a atenção da comunidade local e externa para o que se vem discutindo em arte fora dos grandes eixos de produção. “A expectativa é que a experiência possibilite um maior conhecimento sobre nós mesmos; um olhar para dentro para poder olhar para fora”, explica.

A partir do mês maio, a programação completa do Sesc Amazônia das Artes, com 26 espetáculos de dança, teatro e música, exposições literárias e de artes visuais e exibição de curtas metragens começa a circular os estados, onde cada um participa com ao menos duas produções. Cinema é a linguagem com mais atrações, 10 no total, seguido de Teatro e Música, com cinco espetáculos cada.
Em agosto o circuito chega a Cuiabá, no Sesc Arsenal, com espetáculos entre os dias 11 e 20 de agosto. Em setembro, entre os dias 08 e 30, acontecem duas exposições de artes visuais.

Programação do lançamento

Veja programação completa aqui

Na quinta-feira (23) às 19h será realizada a abertura oficial, com a participação de artistas do estado que participarão desta edição ou que já participaram de edições anteriores. Além disso, dois pensadores da Cultura, os professores Ludmila Brandão (UFMT) e José Marcio Barros (PUC-MG) discutirão o tema: Estéticas Fronteiriças - Arte Fora dos Centros.

O público poderá conferir a instalação Orifício, do artista plástico Benedito Nunes, de Mato Grosso, e ao show com o grupo Regiojazz, de Roraima, que recria músicas de compositores da Região Norte por meio de um jazz de referências regionais, apimentado por influências latinas.

Já no dia 24 de abril, tem espetáculo de teatro Agustino Peixe Grande, do grupo Teatro de Brinquedo (MT), seguido de exposição literária e exibição de curtas metragens. A programação se encerra com a apresentação do espetáculo de dança Grave Grogue, do Balé da Cidade de Teresina (PI).

6 de abril de 2015

Filme Mônica e o Desejo, de Bergman, é atração do Imagens em Pauta

Assessoria UFMT - Jovem casal se apaixona e decide fugir da cidade para passar o verão na praia em “Mônica e o desejo” (Sommaren med Monika, 1953, 96 minutos), de Ingmar Bergman, atração dessa terça-feira (7), às 19 horas, no Sesc Arsenal. Classificação indicativa: 18 anos. A entrada é gratuita.

O filme dá continuidade ao nono ano de exibições do “Imagens em Pauta”, projeto realizado pelo Sesc Mato Grosso em parceria com a Pró-reitoria de Cultura, Extensão e Vivência (Procev), Cineclube Coxiponés e Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Cada sessão é iniciada com a apresentação do filme programado. Após exibição, os participantes conversam sobre o filme e são convidados a tomar um gostoso cappuccino oferecido pelo Sesc Mato Grosso.

Em 2015, a programação do Imagens em Pauta se concentra na filmografia do sueco Ingmar Bergman (1918-2007), realizador obstinado que, além do cinema, dedicou-se intensamente às formas teatrais. Centrada em questões existenciais e na dificuldade encontrada pelas pessoas em se comunicar, a obra de Bergman inspirou e continua a inspirar cineastas, críticos e espectadores ao redor do mundo.

Sobre o filme
Em “Mônica e o desejo”, o jovem Harry (Lars Ekborg) se apaixona perdidamente por Mônica (Harriet Andersson), a moça da quitanda. Após Harry ser despedido do emprego, o casal decide se isolar de todos, fazendo uma idílica viagem de barco pelas ilhas de Estocolmo durante as férias de verão.

“Tudo é inédito, nada parece impossível, tudo está ao alcance de seu desejo. Existe uma onipotência da juventude que Bergman captou talvez melhor do que ninguém. E, em "Monika e o Desejo", talvez melhor do que nunca. Mas o diretor sueco é um pessimista, e o preço a ser pago pela vida não é pequeno. É disso que tratará, em suma, este filme. Para tanto, criará na pessoa de Monika uma personagem inesquecível. Ela é viva, inquieta, contraditória, animal, carnal. Ela é plena, e dessa plenitude Harriet Andersson dá conta com tanta desenvoltura que não é de estranhar que Ingmar Bergman tenha feito dela sua musa quase ao primeiro olhar” (Inácio Araújo. Folha de São Paulo. 02 de março de 2008).

Considerado um dos mais importantes diretores do século XX, Ingmar Bergman é autor de clássicos como “O sétimo selo”, "Morangos silvestres" “Gritos e sussurros” e “Cenas de um casamento”. Bergman foi um dos fundadores da Academia Europeia de Cinema, em 1988. Premiado várias vezes nos Festivais de Berlim e Cannes, Bergman recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro três vezes (por “A fonte da donzela”, “Através de um espelho” e “Fanny & Alexander”).

Bergman iniciou sua carreira artística no teatro, no início da década de 1940. O realizador se distinguiu em várias ocasiões como diretor de peças teatrais de importantes autores, como Shakespeare e Strindberg. Na década de 1960, Bergman foi contratado como diretor do famoso Teatro Real de Artes Dramáticas da Suécia, o Dramaten.

Próximo filme
Na próxima terça-feira, 14 de abril, o Imagens em Pauta continua o Ciclo Bergman com a exibição de “Noites de circo” (Gycklarnas afton, Ingmar Bergman, 1953, 92 min).

30 de março de 2015

PROGRAMAÇÃO DE ABRIL SESC MATO GROSSO

Em Abril tem o lançamento nacional do Sesc Amazônia das Artes e a Semana Sesc de Leitura e Literatura no Sesc Arsenal.

Na Casa do Artesão tem a exposição O Tempo e a Cidade e no Sesc Porto o destaque é o Circuito Fitness.

Já em Rondonópolis tem a abertura da exposição Livros Mutantes.

Saiba de tudo que acontece nas unidades do Sesc Mato Grosso em nossa programação mensal.

Clique aqui para ver a publicação no Issu


27 de março de 2015

SEMANA SESC DE LEITURA E LITERATURA - 14 A 19 DE ABRIL

ESPETÁCULOS PÚBLICO ESCOLAR

RODARI, GRIPARI E FURNARI - UM MUNDO DE HISTÓRIAS FANTÁSTICAS
Com  Lili Flor e Paulo Pixu (SP)

14/04 às 15h - Teatro

Personagens incríveis, binômios fantásticos, lugares inimagináveis fazem a paisagem para os maravilhosos contos criados por estes grandes autores da literatura para crianças.

HISTORIETAS E ASSOMBRETAS
Com Cia Arte Negus (SP)

15/04 às 9h 

Cabeça e Magreta agora são dois amalucados fantasmas que conhecem histórias de diferentes criaturas que habitam as fantasiosas terras de onde eles vêm, tais criaturas contam suas histórias para eles, e eles, por sua vez, contam para todas as pessoas que encontram pelo caminho.

CONTOS E CANTOS DO FOLCLORE BRASILEIRO
Com  João Acaiabe (SP)

15/04 às 15h

“Contos e Cantos do Folclore Brasileiro” traz ao público uma coletânea de contos, lendas, poemas e cantigas do repertório tradicional brasileiro, interpretados e conduzidos de forma poética, lúdica e bem-humorada.


MURUCUTU, A CORUJA DA GRANDE NOITE
Com  Kiara Terra (SP)

16/04 às 9h e 15h

Avó e Neta, a primeira não pode mais algumas coisas que a segunda não pode ainda. A neta conhece os segredos da noite e com coragem sobrevoa a cidadela nas asas da temível coruja grande. Avó e sua neta juntas percebem seu vínculo de amor e cumplicidade.

CONVERSAS DE BOTAS E BATIDAS
Com Cia Vostraz de Teatro (MT)

17 /04 às 15h

Uma grande manifestação cênica da cultura popular mato-grossense por meio de cantigas populares, utilizando a ferramenta da contação de história para traduzir a riqueza e beleza do folclore do nosso Estado.


Para solicitação de agendamento escolar e mais informações, favor entrar em contato pelos telefones: 3616-6903/ 3616-6922/ 9278-0629/9309-5861 - Falar com: Jocimara Vilella / Evelise Parron - Email: eparron@sescmatogrosso.com.br e jcsilva@sescmatogrosso.com.br e sescarsenal.agendar@sescmatogrosso.com.br 

----------------------------------------------------------------------------------------


OFICINAS LITERÁRIAS PARA PÚBLICO ESCOLAR

FÁBRICA DE HISTÓRIAS
Com Lili Flor e Paulo Pixu 

15 e 16/04 das 8h às 11h | 15, 16, 17/04 – das 14h às 17h

E se vocês tiverem que escolher um final para uma história? Temos três opções! E se você criasse um final? Nesta oficina, os participantes deverão usar muito a imaginação para criar nossas possibilidades para o desfechos de contos diversos.

GUIA SIMININO DE TCHAPA E CRUZ
Com Arte Negus

16/04 das 8h às 11h |  14 a 17/04 – das 14h às 17h

Oficina que propõe atividades recreativas que unem o conhecimento sobre a cultura popular da baixada cuiabana com diversão, criando situações que brincam com elementos tradicionais da sociedade em questão.

CAÇA HISTÓRIAS
Com Poesia Viral

15 e 16/04 das 8h às 11h | 14 a 17/04 – das 14h às 17h

Uma divertida contação que envolve brincadeiras populares e literatura infantil. Os livros serão escondidos em lugares diferentes. Em um trabalho de equipe os participantes terão que encontrá-los, para em seguida ouvir as histórias encontradas.

----------------------------------------------------------------------------------------

COM A PALAVRA O ESCRITOR
Conversa informal entre os escritores convidados e alunos do ensino fundamental e médio sobre o processo criativo de cada autor e suas influências literárias, que constituíram suas obras e sua história de leitor.
15/04 às 10h
Escritora: Iraci Conceição Romagnolli Dias (MT)

16/04 às 10h
Escritora: Neusa Baptista Pinto (MT) 

----------------------------------------------------------------------------------------

PALESTRAS

LITERATURA: MODOS DE FAZER, MODOS DE (SE) REFAZER

14/04 às 19h30 - Teatro

Ainda que o senso comum atribua a criação literária um suposto surto de inspiração, os caminhos da criação de um livro são muito diversos.  Cristiane Costa, André Sant’Anna e Alexandre Marques Rodrigues, autores de diferentes locais e com diferentes vozes narrativas, irão conversar com o público sobre suas escolhas nesse processo de reordenação da realidade que é a criação de uma obra literária.


GRANDES POETAS BRASILEIROS (ESPECIAL DRUMMOND) 
Com Poesia Viral (RJ)
15/04 às 19h  - Cinema
Aula espetáculo sobre Carlos Drummond de Andrade. Eliza Morenno e João Pedro Fagerlande apresentam a vida e a obra do poeta mineiro, com recursos teatrais e projeção de fotos e vídeos. Ao fim, um bate papo com a plateia.

----------------------------------------------------------------------------------------


OFICINAS  DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

A MÁGICA DA HISTÓRIA PARA TODAS AS IDADES
Com João Acaiabe (SP) 

Turma I.: 15/04 das 18h às 21h 

Turma II.: 16/04 das 9h às 12h

Com exercícios de desinibição, imaginação, concentração e emoção. As histórias são oferecidas às crianças através de um caleidoscópio de sentimentos e emoções que favorecem a proliferação do gosto pela literatura, enquanto forma de lazer e diversão.


A PAIXÃO PELA PALAVRA - LER, ESCREVER E NARRAR PARA PERTENCER AO MUNDO
Com Kiara Terra (SP) 

17/04 das 9h às 12h

Desenvolver a capacidade de escuta e troca. O processo colaborativo de construção de conhecimento. Histórias e temas de difícil abordagem. O acolhimento as perguntas dos alunos e as diferentes formas de condução. O Professor- colaborador do processo dos alunos. A Palavra na literatura e na oralidade. A autoria versos a troca como maneira e compartilhar conhecimento- um novo olhar. Mediação de leitura.

PALAVRAS DO SILÊNCIO 
Com Alvaro Assad (SP)

18/04 das 14h às 17h

A oficina de mímica, com Alvaro Assad, apresenta e trabalha os movimentos corporais assim como técnicas ilusórias da arte gestual. Objetivo primordial é apresentar aos contadores de história um instrumento que potencialize o alcance visual, através de um diferente domínio técnico. O gestual.

HISTÓRIAS DE HUMOR
Com Marcio Moura (SP)

19/04 das 10h às 13h

Apresentamos ao professor a importância da prática de contar histórias dentro da sala de aula. Técnicas teatrais, escolha de um bom roteiro, diferentes estratégias, mas principalmente uma boa escolha de historia se torna fundamental.
Oficinas com emissão de certificado
Informações: eparron@sescmatogrosso.com.br / 3616-6922

----------------------------------------------------------------------------------------

CURSO LITERÁRIO - 21 HORAS/AULA

JORNALISMO LITERÁRIO
Com Cristiane Costa (RJ)

15 a 17/04 das 18h às 22h e 18/04 das 9h às 13h e das 14h às 17h

Vamos analisar os grandes clássicos do jornalismo literário e os principais autores de livro-reportagem, para tentar compreender suas técnicas, estratégias e inovações. Mais do que um curso teórico, será uma laboratório prático, com elaboração de textos através de exercícios guiados. Vamos também usar os novos dispositivos, programas e aplicativos para criação de textos eletrônicos para furar o bloqueio dos grandes veículos de comunicação e produzir jornalismo literário fora dos grandes centros.  Curso com emissão de certificado
Informações: eparron@sescmatogrosso.com.br / 3616-6922

----------------------------------------------------------------------------------------

PERFORMANCE LITERÁRIA

MÚSICA PARA MODELOS VIVOS MOVIDOS A MOEDAS
Com Ricardo Aleixo (SP)

15/04 às 20h - Teatro

Performance intermídia do poeta, performador e artista sonoro/visual Ricardo Aleixo. Operando a partir de um mix de elementos de poesia vocal, radioarte, text-tanz, videoperformance, instalação e ruidagem eletroacústica, o artista instaura no palco um jogo de contínuas improvisações, em que a meta é o estabelecimento de aproximações entre práticas composicionais e de interpretação extraídas das várias linguagens, com o fim de relativizar as fronteiras que historicamente as separam. Assim, voz cantada e voz falada, voz pré-gravada e voz entoada ao vivo e processada eletronicamente em tempo real constituem, no âmbito da vocalidade, as bases que levam ao agenciamento do corpo inteiro, dos aparatos digitais, das imagens projetadas, da luz e dos objetos de uso cotidiano manipulados em cena.


----------------------------------------------------------------------------------------

INTERVENÇÕES LITERÁRIAS

POESIA AO PÉ DO OUVIDO
Com Lili Flor e Paulo Pixu (SP)

17/04 às 19h - Jardim/ Varanda

E se alguém te dissesse uma poesia ao pé do ouvido? Lili Flor & Paulo Pixu colecionam poemas e poesias dos mais diversos autores da literatura universal  e compartilham com os bons ouvidos amigos que queiram ouvir.


BARDOS DE SHAKESPEARE COM POESIA VIRAL (RJ)
18/04 às 19h - Jardim/Varanda
Caracterizados como bardos medievais, os artistas abordam pessoas na unidade do Sesc Arsenal com poemas e trechos de peças de William Shakespeare. A performance foi criada em homenagem aos 450 anos do poeta inglês.


----------------------------------------------------------------------------------------

MINIMARATONA DE HISTÓRIAS
16/04 das 18h às 22h

Mestres de Cerimônia: Lili Flor e Paulo Pixu (SP)
Para uma grande noite de contos,  Lili Flor & Paulo Pixu apresentam de maneira solene os nobres convidados que trarão ao público um mundo de histórias.

18h – Abertura - Os apresentadores contam uma história

18h30– Contos de Porcelana – Thereza Helena e Douglas Peron (MT)

19h – Cadê a  História que estava aqui?  com Vinícius Rangel (MT)

19h30 – Conversa de Botas e Batidas – Cia Vostraz de teatro (MT)

20h – Morto Vivo - Arte Negus (SP)

20h30 – Contos e Cantos do Folclore Brasileiro – João Acaiabe (SP)

21h – Dona certeza - a velhinha que ousou atravessar o mar – Kiara Terra (SP)

21h30 – O Poeta Mostra a Língua - Poesia Viral (RJ)


----------------------------------------------------------------------------------------

ESPETÁCULOS DE ENCERRAMENTO

O BELO E O AVESSO DAS COISAS
Com Kiara Terra (SP)
17/04 às 20h - Teatro

Histórias de heróis que diferem em muito do tipo mais comum encontrado nos contos populares. Ingênuo e distraído, confunde-se, fracassa, erra em seus percursos. É ao mesmo tempo fantástico e parecido com todos nós.
*Retirar ingresso uma hora antes do espetáculo

DE FÉRIAS NO SÍTIO
Com Etc e tal (SP)
18 e 19/04 às 18h - Teatro

Inspirado na obra de Monteiro Lobato, esta Pantomima Literária, subverte a leitura do espectador apresentando através da mímica os personagens criados por um dos maiores escritores brasileiro de literatura infanto-juvenil. Pedrinho sai em férias e tem um árduo caminho a percorrer até o Sítio de sua avó, onde se envolve em hilariantes confusões ao sair para uma caçada onde depara-se com o temível e arteiro Saci...
*Retirar ingresso uma hora antes do espetáculo

CONTOS E VERSOS - APRESENTAÇÃO DE ENCERRAMENTO DA OFICINA DE INTERVENÇÕES POÉTICAS
19/04 às 20h - Jardim

Eliza Morenno, João Pedro Fagerlande e artistas locais convidados apresentam uma seleção de contos populares e poemas narrativos.

Para solicitação de agendamento escolar e mais informações, favor entrar em contato pelos telefones: 3616-6903/ 3616-6922/ 9278-0629/9309-5861 - Falar com: Jocimara Vilella / Evelise Parron - E-mail: eparron@sescmatogrosso.com.br e jcsilva@sescmatogrosso.com.br e sescarsenal.agendar@sescmatogrosso.com.br 



INFORME SOBRE O PROCESSO SELETIVO SESC MATO GROSSO 2015/02

Comunicamos que está disponível no site do Sesc Mato Grosso (www.sescmatogrosso.com.br/sesc-mato-grosso/processo,1,1,cuiaba.html) a relação de convocados para realização da Avaliação Objetiva de Cuiabá para os seguintes cargos:

Auxiliar de Manutenção e Cargas (AMC-01);
Artífice de Manutenção Generalista (ART02);
Artífice de Manutenção Marceneiro (ART-03);
Auxiliar de Serviços 30 hs (AS-01);
Auxiliar de Serviços 40 hs (AS-02)
Auxiliar Administrativo (AUX-01);
Auxiliar de Biblioteca (AXB);
Analista de Programas Sociais Artes Plásticas (APS-02);
Analista de Programas Sociais Teatro (APS-03);
Dentista (DNT-01);
Garçom (GAR-01);
Porteiro (PRT-01).

Informamos ainda que os cargos: Analista Administrativo (AND-01), Recepcionista (RCP-01), Secretário (a) (SEC-01) e Técnico de Programas Sociais (TPS-01), terão a convocação para realização da Avaliação Objetiva divulgada no dia 31 de março no site do Sesc Mato Grosso e no mural da Unidade Sesc Administração.

A divulgação da convocação para os cargos para o Sesc Rondonópolis também foi adiada para o dia 31 de março para os seguintes cargos: Artífice de Manutenção e Cargas (ART-01), Analista de Programas Sociais (APS-01), Auxiliar de Manutenção e Cargas (AMC-02), Dentista (DNT-02), Motorista (MOT-01) e Nutricionista (NUT-01).

Outras informações pelos telefones: 65 3616-7937 e 3616-7980.


25 de março de 2015

Péricles Anarcos volta aos palcos cuiabanos com adaptação de Hemingway

Depois de se lançar em embarcações por outras águas brasileiras, o ator Péricles Anarcos, volta a ancorar em Mato Grosso. Ao pisar em terra firme, volta aos palcos sem se distanciar das últimas vivências. Pelo projeto Poesia Versos e Cordas encena uma adaptação poética de “O Velho e o Mar”, de Ernest Hemingway. Vai ser nesta quarta-feira (25), às 20 horas, no Teatro do Sesc Arsenal. A entrada é gratuita.

No espetáculo, que será exibido também ao público escolar no mesmo dia, às 15 horas, é revelada à plateia, a odisséia contemporânea do velho marinheiro cubano Santiago, que em um período de muito azar, não consegue pescar nenhum peixe por mais de 84 dias e vira alvo de zombarias dos seus amigos na colônia dos pescadores. Eis que de repente, tira a sorte grande ao pescar um gigante espadarte. Mas, será que foi sorte?

O brilhante texto publicado por Hemingway em 1952, fez com que ele fosse contemplado com o prêmio Pulitzer (1953) e laureado com o Nobel de Literatura de 1954.

Encantado pelo texto e inspirado pelo tempo que exerceu atividade profissional como marinheiro mercante, Péricles começou a idealizar o espetáculo a partir da oficina dramatúrgica da Árvore, que ministrou no Sesc Arsenal, durante a edição mais recente do Guaná – Aldeia Sesc de Cultura. No curso, ele fez a comparação de imagens entre a construção de um texto teatral, com a plantação de uma árvore.

“E é assim que o espetáculo não estreia de forma conclusa, segue em construção. As influências teatrais adquiridas ao longo dos anos por conta da interação com atores de outros países, o Odin Teatret, da Dinamarca e o canto difônico do estilo tuvano que tenho desenvolvido autodidaticamente e a vida em embarcações foram se misturando e dando forma ao espetáculo”, explica. Péricles ressalta ainda, que amplia as possibilidades com texto em português lusitano e espanhol.

Um dos fundadores do célebre Teatro Fúria, em efervescência no início dos anos 2000 em Mato Grosso, Péricles Anarcos volta à ativa e entusiasma a plateia cuiabana, ávida por notícias suas. E claro, pela genialidade inerente.

Péricles Anarcos atuou como autor, ator e diretor no Teatro Fúria e os Insurretos Furiosos Desgovernados. Viajou por 18 estados brasileiros divulgando os 10 espetáculos e 5 oficinas da trupe, por intermédio de festivais de teatro e projetos de circulação de espetáculos como Caravana Funarte, Palco Giratório e projetos particulares contemplados pela Lei Rouanet. Além dos espetáculos e laboratórios o Fúria também promoveu o Festival Nacional de Teatro de Cuiabá, aulas e espetáculos com menores em conflito com a Lei, presos na cadeia do Complexo Pomeri.


Serviço: 
Poesia Versos e Cordas
O Velho e o Mar, com Péricles Anarcos
Dia 25 de março, às 20 horas, no Teatro do Sesc Arsenal
Entrada Gratuita (Retirar o ingresso 1 hora antes do espetáculo) 

23 de março de 2015

EXPOSIÇÃO JÁ FUI FLORESTA - POR JOSÉ MEDEIROS

Período de Exposição: 27/03 a 08/05 no Sesc Arsenal

Foi em um território mítico, no Parque Indígena do Médio Xingu, que José Medeiros redescobriu o universo rico e complexo dos índios Ikpeng. E na relação de troca estabelecida, Medeiros se interessou em repassar o conhecimento em sua trajetória fotográfica. Assim, não somente ensina os índios a fotografar, como defende os direitos com a valorização de atributos simbólicos ligados à própria imagem do índio e às raízes de sua cultura. Medeiros procura indagar sobre a cultura indígena e o lugar que lhe cabe na sociedade contemporânea. Talvez por isso, A exposição “Já Fui Floresta” vem mostrar a realidade, a convivência do índio que, em meio ao mundo globalizado, vê o futuro em perspectiva.


3ª a Sábª das 14h às 17h e 18h às 21h / Dom. e Fer. das 16h às 21h  | Galeria de Artes  |  Gratuito
Agendamento de Grupos: sescarsenal.agendar@sescmatogrosso.com.br  | 3616-6903

10 de fevereiro de 2015

SESC MATO GROSSO INAUGURA ESPAÇO RECREATIVO EM CRECHE DE VÁRZEA GRANDE

Entidade é uma das beneficiárias do programa Mesa Brasil

As noventa crianças da creche filantrópica Instituto Educacional Luz da Manhã, no Jardim Paula 2, em Várzea Grande, receberam um presente neste início de ano letivo: um espaço recreativo para lazer com livros e brinquedos doado pelo  Sesc Mato Grosso e seus funcionários.

A inauguração do espaço aconteceu nesta segunda-feira (09/02), com representantes do Sesc Mato Grosso. Tatiana Dalmaz, coordenadora administrativa do Mesa Brasil, disse que a escolha da entidade, uma das 97 instituições cadastradas que recebem alimentos pelo programa, foi escolhida por estar localizada em um bairro carente e por atender critérios para a implantação do espaço. "Escolhemos inaugurar a sala no primeiro dia de aula das crianças", explicou Tatiana, uma das principais mobilizadoras da iniciativa.

A ideia do espaço recreativo partiu das técnicas do programa Mesa Brasil e envolveu as unidades do regional que fizeram a doação de brinquedos, livros e outros recursos. Trabalhando o tema de reaproveitamento, caixas de armazenamento de frutas e verduras, por exemplo, foram pintadas e transformadas em nichos para brinquedos. Além da sala, foi possível também reformar o playground da creche.

Leonice Bilo, coordenadora de programas do Sesc Mato Grosso informou que a ação está nas diretrizes nacionais do Sesc e acredita que essa possa ser uma ação modelar. Ou seja, é uma ação que pode ser replicada por outras instituições e empresas com entidades carentes e filantrópicas.

Já a diretora da creche, Diane de Almeida Mendes, afirmou que o espaço será muito gratificante. "Nós somos uma entidade filantrópica e dependemos de parcerias e essa com certeza vai alegrar as crianças", explicou. A creche, que tem seis anos de fundação, atente 90 crianças de 2 a 4 anos em período integral de vários bairros da periferia de Várzea Grande. Para o funcionamento, há uma parceria com a prefeitura para o pagamento dos salários dos funcionários. Já a manutenção normalmente é feita com a colaboração de pais e voluntários ou de ações como a realizada pelo Sesc.

Saiba mais sobre o Programa Mesa Brasil
O Programa Mesa Brasil é uma Rede Nacional de Solidariedade que atua na área de segurança alimentar e nutricional por meio de doação de alimentos excedentes a pessoas em situação de insegurança alimentar e vulnerabilidade social. Paralelamente, desenvolve ações educativas para consumo consciente dos alimentos e regaste da cidadania. O programa tem na parceria com doadores, entidades sociais e voluntários a base de sua sustentação. É uma iniciativa do Sesc que dissemina a cultura da responsabilidade compartilhada para a garantia do direito humano a alimentação.

Em Mato Grosso, o programa foi implantado em 2003 e atua na modalidade de banco de alimentos. Assim, o Mesa Brasil Sesc busca onde sobra e entrega onde falta. De um lado, contribui para a diminuição do desperdício, e de outro reduz a condição de insegurança alimentar de crianças, jovens, adultos e idosos.

2 de fevereiro de 2015

TEMPORADA SESC DE TEATRO - ORAMORTEM

De sexta a domingo tem Temporada Sesc de Teatro, com a peça Oramortem.

A memória é um novelo emaranhado o bastante pra ser desfiado. Melhor esquecer, que a vida sem ontem fica mais leve. Ela se preparava para migrar da terra dos vivos para a dos mortos, e justo nessa hora ele apareceu, desfilando futuros e acordando rubores. E essa agora?



06, 07 e 08/02 às 20h - Teatro do Sesc Arsenal
Ingressos: R$ 5,00 (Comerciários), R$ 7,50 (Meia) e R$ 15,00 (Inteira)

Não recomendado para menores de 14 anos

Ficha técnica:
Concepção: Daniela Leite
Intérpretes criadores: Daniela Leite e Felipe Vicentin
Criação musical: Estela Ceregatti, Jhon Stuart, Luis Segadas, Luiz Gustavo Lima
Cenário: Luis Segadas
Concepção e operação de Luz: Karina Figueredo
Colaboração dramatúrgica: Juliana Capilé e Tatiana Horevicht